A Fazenda 9

Mauricio Stycer

Confinado há 140 dias em 2017, Marcos virou "ombudsman" de reality show

Reprodução/R7
Se ganhar "A Fazenda", Marcos Harter diz que fará cirurgia plástica de graça em Monique e Aritana Imagem: Reprodução/R7
Mauricio StycerMaurício Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Colunista do UOL

19/11/2017 12h21

Neste domingo, Marcos Harter comemora 140 dias de confinamento em 2017. É seguramente o brasileiro que, por vontade própria, e não por decisão da Justiça, mais tempo cumpriu pena de restrição de liberdade este ano.

Os 140 dias de Marcos dentro de algum reality show representam 43% do ano, até agora. Ou seja, o médico passou praticamente metade de 2017 sob o olhar de dezenas de câmeras, ouvindo discursos de Tiago Leifert e Roberto Justus, levando broncas de Boninho e Rodrigo Carelli, e convivendo com muita gente estranha em festas esquisitas.

Esta longa exposição transformou Marcos. Seria um caso para a ciência, mas por enquanto é apenas uma curiosidade para fãs (e haters) de realities show e gente que, como eu, ganha para escrever a respeito.

Como está muito longe do consultório, o cirurgião plástico combate o tempo ocioso dando consultas para os colegas e oferecendo rinoplastias e abdominoplastias gratuitas para quando, finalmente, reencontrar a liberdade.

Outro efeito colateral da prolongada restrição de liberdade é que Marcos agora acha que é um especialista em reality show. Virou uma espécie de “ombudsman”, o profissional de mídia contratado para ouvir os leitores e espectadores e criticar o próprio veículo em que trabalha.

Nesta altura da “Fazenda”, passa os dias criticando os colegas “vetezeiros”. O termo designa aqueles que, na sua opinião, agem movidos exclusivamente pelo desejo de ganhar um VT na edição diária que a Record exibe para o público. 

Flávia tem sido o principal alvo desta sua crítica. No programa de sábado (18), ouvimos o médico reclamar:

“Há a necessidade de lavar louça com água de poço se a água vai chegar em meia hora? Meu, lavou o banheiro hoje. Ela faz o VT de empregada doméstica. Nada contra empregada doméstica, mas ela força a barra, velho. Ridículo.”

Antes, ele filosofou para Monique: “No final das contas, eu paro e penso: quem tem que ganhar um reality? É quem tá enganando a maior parte do povo por mais tempo”. Com toda esta sua experiência acumulada em 2017, Marcos parece ter demorado a aprender algo essencial.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Topo