Topo

Especial BBB17

Mauricio Stycer

Depois dos enigmas de Bial, Leifert "desenha" o discurso de eliminação

Reprodução/TV Globo
Leifert fala com Luiz Felipe e mãe do candidato após a eliminação Imagem: Reprodução/TV Globo
Mauricio Stycer Maurício Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Maurício Stycer

Colunista do UOL

15/02/2017 04h01

Há um ano, para explicar a Luiz Felipe que ele foi eliminado, entre outros motivos, porque desrespeitou uma candidata de 70 anos, Pedro Bial talvez tivesse recorrido a uma reflexão do filósofo Leandro Karnal ou a uma fábula de La Fontaine. Falaria um monte de coisas sobre as relações entre os jovens e os idosos. E ninguém entenderia nada. 

Sob o comando de Tiago Leifert, a eliminação do rapaz foi “desenhada” na lousa, de forma que até uma criança compreendesse: “Se você tivesse feito isso antes (um pedido desculpas), talvez tivesse sido melhor pra você", disse o apresentador, depois de comentar o momento em que Ieda chamou Luiz Felipe para conversar e ele se desculpou com ela.
 
Leifert já abriu o programa desta terça-feira mostrando o que chamou de “o desenho desse jogo” – o suposto confronto entre os quarentões da casa e os “millennials”, que têm entre 20 e 25 anos.
 
Também “desenhou” para o público e para muitos jogadores que Emilly tem adotado posições ambíguas no jogo. De mãos dadas a Marcos e Luiz Felipe, ela disse que estava “inconsolável” com a possibilidade de um deles ser eliminado. Leifert, então, fuzilou: “Você podia ter dado o anjo a um deles”.
 
Quem assiste ao programa 24 horas, sabe que Daniel havia dito para Emilly que estava pensando em indicar Marcos. Por isso, talvez, depois da observação de Leifert, ela disse que se arrependia “profundamente” de não ter imunizado o médico.
 
Como escrevi há dois dias, a forma de Leifert conduzir o programa é bem mais didática que a de Bial e, ao mesmo tempo, o coloca como um jogador mais participativo que o seu antecessor.