Especial BBB17

Mauricio Stycer

Ao sair do "BBB17", Rômulo poderá explicar o que foi fazer lá dentro

Reprodução/TV Globo
Rômulo está, ao lado de Marcos e Ieda, no paredão desta terça-feira Imagem: Reprodução/TV Globo
Mauricio StycerMaurício Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Colunista do UOL

21/03/2017 05h01

Apontado pela enquete do UOL como favorito a deixar o “BBB17” nesta terça-feira (21), Rômulo poderá, caso se confirme o resultado, esclarecer um dos grandes mistérios desta edição: por que participou do programa?

Na verdade, há uma questão anterior a esta a ser esclarecida: por que foi selecionado? O que o diretor Boninho viu no diplomata, ex-chefe de gabinete do governador do Distrito Federal e candidato derrotado a uma vaga de deputado distrital em Brasília? 
 
O que Rômulo disse durante o processo de seleção que convenceu Boninho a levá-lo para a casa? Que promessa de diversão escondia o diplomata?
 
Faço todas estas perguntas porque, realmente, não consegui entender o sentido da passagem de Rômulo pela “casa mais vigiada do Brasil”. Sisudo, jamais nos divertiu. Em mais de uma ocasião, pareceu estar defendendo um “programa de governo”, expondo regras, condutas e procedimentos que considerava corretos para si e os demais candidatos. 
 
Muita gente lembrou de Jean Wyllys ao ver Rômulo no “BBB”. Não me parece um bom exemplo. Jornalista e professor universitário, gay assumido, Jean encarou cinco paredões. Logo na primeira semana foi indicado para o paredão pelo voto da casa e disse que a votação teria sido motivada por preconceito por ser homossexual.
 
Rômulo tentou passar a mesma serenidade e tranquilidade do campeão do “BBB5”, mas soou artificial em sua pregação sobre o que seria certo e errado no confinamento. Em mais de uma ocasião, o diplomata parecia estar em campanha, mas talvez tenha superestimado a sua capacidade de convencer o eleitor, digo, o público sobre as suas boas intenções.  

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Topo