Topo

Especial BBB17

Mauricio Stycer

Dia histórico: Mr. Edição se irrita com Marcos e Rômulo dá lição em Leifert

Reprodução/TV
Protagonistas da noite, Marcos e Rômulo colocaram em xeque a produção e o apresentador do programa Imagem: Reprodução/TV
Mauricio Stycer Maurício Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Maurício Stycer

Colunista do UOL

22/03/2017 04h01

Perto de completar dois meses, o “BBB17” viveu uma noite excepcionalmente original nesta terça-feira (21). Um momento de soberba de Marcos, que ameaçou “encurralar” a produção do programa, serviu de pretexto para o apresentador Tiago Leifert ler um desabafo inusitado: 

“Perderam 500 estalecas, deram risada. Perderam o quarto do líder, deram risada. Pessoal foi pedir desculpas, esnobaram. Ainda disse que ia encurralar o programa. Então, a partir de agora a tolerância é zero pra qualquer punição. Já temos dois meses de programa e eles estão cansados de saber as regras. A brincadeira acabou. Por isso, hoje eles não vão ter recado da família, a festa de amanhã tá cancelada e não terá drinque do sobrevivente também pros que ficarem do paredão. Terminou a palhaçada! Acabou a brincadeira!. Chega!”
 
Repare que Leifert não disse nada disso para Marcos, alvo da irritação da Globo, mas para o público. Por quê? Mr. Edição viu na arrogância do candidato, que ameaçou “encurralar” a produção, uma oportunidade para informar aos espectadores que o médico não manda nada; quem manda é o Big Boss. Resta saber se "o da poltrona" acreditou.
 
O desabafo também serviu para contestar a tese da “manipulação” do “BBB17”, levantada nas redes sociais por quem enxerga um favorecimento a Marcos, a Emilly e a Ilmar. Mas teria sido mais convincente se Leifert falasse nestes termos aos participantes. O que ele não fez.
 
“Terminou a palhaçada!”, disse o apresentador. Qual é a “palhaçada”? É a percepção, não somente aqui fora, mas também dentro da casa, de que o programa caminha para premiar Emilly e/ou seus dois parceiros. 
 
Antes de anunciar a eliminação de Rômulo, Leifert tentou confundir os participantes. Fez várias perguntas a eles no esforço de convencê-los de que não são capazes de enxergar o que se passa aqui fora. Qual era o seu objetivo? Tentar persuadir quem ainda está confinado de que a parada não está resolvida. Vivian parece ter entendido. E Marcos, pela alegria com que recebeu o resultado do paredão, demonstrou que temia dançar.
 
O apresentador só não podia imaginar que Rômulo, consciente de que seria eliminado, ainda tinha algumas coisas a dizer. E o diplomata, num gesto de muita ousadia, raríssimo num “BBB”, fez críticas sérias a dois recados dados por Leifert em outras noites de eliminação.
 
Acuado, o apresentador se sentiu obrigado a discutir, questionar o uso das palavras de Rômulo e, ainda, desabafar para o público, sugerindo que o diplomata não havia compreendido as suas palavras: “Eles nem sempre entendem recado”. Rômulo cresceu na situação, Leifert diminuiu. 
 
Com suas atitudes surpreendentes, o médico Marcos, 37 anos, e o diplomata Rômulo, 39, ambos mais velhos que Leifert, que tem 36, acabaram colocando em questão a própria escalação deles para o programa. 

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!