Especial BBB17

Mauricio Stycer

Dia histórico: Mr. Edição se irrita com Marcos e Rômulo dá lição em Leifert

Reprodução/TV
Protagonistas da noite, Marcos e Rômulo colocaram em xeque a produção e o apresentador do programa Imagem: Reprodução/TV
Mauricio StycerMaurício Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Colunista do UOL

22/03/2017 04h01

Perto de completar dois meses, o “BBB17” viveu uma noite excepcionalmente original nesta terça-feira (21). Um momento de soberba de Marcos, que ameaçou “encurralar” a produção do programa, serviu de pretexto para o apresentador Tiago Leifert ler um desabafo inusitado: 

“Perderam 500 estalecas, deram risada. Perderam o quarto do líder, deram risada. Pessoal foi pedir desculpas, esnobaram. Ainda disse que ia encurralar o programa. Então, a partir de agora a tolerância é zero pra qualquer punição. Já temos dois meses de programa e eles estão cansados de saber as regras. A brincadeira acabou. Por isso, hoje eles não vão ter recado da família, a festa de amanhã tá cancelada e não terá drinque do sobrevivente também pros que ficarem do paredão. Terminou a palhaçada! Acabou a brincadeira!. Chega!”
 
Repare que Leifert não disse nada disso para Marcos, alvo da irritação da Globo, mas para o público. Por quê? Mr. Edição viu na arrogância do candidato, que ameaçou “encurralar” a produção, uma oportunidade para informar aos espectadores que o médico não manda nada; quem manda é o Big Boss. Resta saber se "o da poltrona" acreditou.
 
O desabafo também serviu para contestar a tese da “manipulação” do “BBB17”, levantada nas redes sociais por quem enxerga um favorecimento a Marcos, a Emilly e a Ilmar. Mas teria sido mais convincente se Leifert falasse nestes termos aos participantes. O que ele não fez.
 
“Terminou a palhaçada!”, disse o apresentador. Qual é a “palhaçada”? É a percepção, não somente aqui fora, mas também dentro da casa, de que o programa caminha para premiar Emilly e/ou seus dois parceiros. 
 
Antes de anunciar a eliminação de Rômulo, Leifert tentou confundir os participantes. Fez várias perguntas a eles no esforço de convencê-los de que não são capazes de enxergar o que se passa aqui fora. Qual era o seu objetivo? Tentar persuadir quem ainda está confinado de que a parada não está resolvida. Vivian parece ter entendido. E Marcos, pela alegria com que recebeu o resultado do paredão, demonstrou que temia dançar.
 
O apresentador só não podia imaginar que Rômulo, consciente de que seria eliminado, ainda tinha algumas coisas a dizer. E o diplomata, num gesto de muita ousadia, raríssimo num “BBB”, fez críticas sérias a dois recados dados por Leifert em outras noites de eliminação.
 
Acuado, o apresentador se sentiu obrigado a discutir, questionar o uso das palavras de Rômulo e, ainda, desabafar para o público, sugerindo que o diplomata não havia compreendido as suas palavras: “Eles nem sempre entendem recado”. Rômulo cresceu na situação, Leifert diminuiu. 
 
Com suas atitudes surpreendentes, o médico Marcos, 37 anos, e o diplomata Rômulo, 39, ambos mais velhos que Leifert, que tem 36, acabaram colocando em questão a própria escalação deles para o programa. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Topo