Topo

Especial BBB17

Mauricio Stycer


Chegou a hora dos fãs-clubes e "haters" decidirem o "BBB17"

Reprodução/TV Globo
Após eliminação de Rômulo, Emilly e Marcos dançam enquanto Marinalva, Vivian e Ieda choram no jardim Imagem: Reprodução/TV Globo
Mauricio Stycer Maurício Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Maurício Stycer

Colunista do UOL

2017-03-23T04:01:00

23/03/2017 04h01

Acabou o tempo dos paredões triplos, um recurso que Mr. Edição usa para aumentar as chances de controlar o jogo. A partir de agora, e até o fim do “BBB17”, anunciou Tiago Leifert, serão apenas disputas duplas. É a hora de ver quem, de fato, tem mais fã-clube e quem é mais odiado.

O total de votos durante as votações raramente tem sido mencionado neste "BBB17" – o que é sinal de que os paredões não têm mobilizado multidões. Leifert falou que o paredão que eliminou Manoel, em 21 de fevereiro, teve 25 milhões de votos – o recorde da edição até agora. Não é muito, comparado a outras edições. Em paredões duplos, tudo indica, a animação das torcidas vai aumentar. 
 
Posso estar enganado, mas Emilly e Vivian entram nesta reta final com vantagem sobre os demais. A mais recente enquete do UOL sobre preferências do público indica justamente as duas como as que o público acha que merecem ganhar. 
 
Marcos aparece em terceiro lugar nesta enquete, mas tenho a impressão que Mr. Edição deu uma boa queimada no médico nos últimos dias, desde que ele disse que iria “encurralar” a produção do programa.
 
Na última quarta-feira (22), dos 19 minutos do programa, mais da metade foi dedicada a mostrar Marcos em situações negativas para ele. Nesta quinta (23), a produção o proibiu de fazer arapucas na casa e Leifert o chamou, sem temer o duplo sentido, de “maníaco da arapuca”.
 
Ilmar, Daniel, Marinalva e Ieda são as incógnitas. Não aparecem bem colocados na enquete sobre quem merece ganhar, mas ao mesmo tempo são os que têm mais baixa rejeição  - o que também poder ser um trunfo nesta reta final.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL