Especial BBB17

Mauricio Stycer

Votação recorde: Globo critica espectadores "fanáticos" e "hipnotizados"

Reprodução/TV Globo
Leifert: "Não é uma luta do bem contra o mal. Pode até ser pra algumas pessoas, mas elas são fanáticas e elas estão hipnotizadas? Imagem: Reprodução/TV Globo
Mauricio StycerMaurício Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Colunista do UOL

05/04/2017 04h01

Foram 112.889.105 votos, recorde da temporada e terceira maior votação da história do “BBB”, atrás apenas da votação que deu o prêmio a Marcelo Dourado em 2010 (154.878.460 milhões) e ao paredão entre Dourado e Dicesar na mesma edição (125,4 milhões). 

Apesar do número grandiloquente, que resultou na eliminação de Ilmar (55,92%) e na permanência de Marcos (44,08%), a Globo não demonstrou felicidade na noite de terça-feira (04). Por meio do apresentador Tiago Leifert, que mais uma vez disse falar em nome da direção, foi feita uma crítica severa aos torcedores mais fanáticos do “BBB” - justamente aqueles que organizam mutirões para votar e garantir números enormes de votação.
 
“Esse paredão não é sobre polarização. Não é uma luta do bem contra o mal. Ouviram bem o que eu disse? Quem vencer esse paredão não é o paladino da justiça, quem perder não é o demônio. Pode até ser pra algumas pessoas, mas elas são fanáticas e elas estão hipnotizadas”.
 
Um pouco antes, Leifert havia explicado por que a “polarização”, ou seja, a guerra entre torcidas, “é um problema muito grave”. 
 
“Polarização é um problema muito grave. Porque nunca tá certa. Ela é cega. Um lado só enxerga as qualidades, o outro lado só enxerga os defeitos. Pra um lado a pessoa é Deus, pro outro lado ela é o demônio. E não há nada que faça esses caras mudarem de opinião”.
 
Em outras palavras, não adianta Mr. Edição proteger um candidato ou expor negativamente outro. Se as torcidas estão decididas a votar de uma maneira, nada as fará mudar. Ao prosseguir o discurso, Leifert reconheceu, de certa forma, o fracasso do próprio programa:
 
“E aí você vai pro mundo de hoje com rede social e a pessoa que tem uma opinião formada se cerca de outras que tem a mesma opinião dela e o que acontece? Ela só reforça aquela crença e aí não há diálogo. Tudo que você mostra que pode questionar o que aquela pessoa acredita, ela imediatamente descarta, ela imediatamente interpreta do jeito dela, que é errado, porque ela tá totalmente hipnotizada, porque ela tá fanática. E aí a coisa não anda”.
 
Dito isto, fico até sem graça de reclamar da edição desta terça-feira. Houve um lacuna importante, na minha opinião. O apresentador não informou ao público que os participantes conversaram com uma psicóloga no período da manhã. 
 
Essa conversa, possivelmente, ajuda a explicar o comportamento de Marcos, exibido no programa – o seu “tour do perdão”. O candidato acabou monopolizando o episódio, pedindo desculpas a todos, enquanto Ilmar, mais deprimido, se manteve recolhido. Foi uma vantagem? Eu diria que sim, mas depois do discurso de Leifert talvez seja o caso de não falar mais nada.
 
Registro, por fim, mais uma conversa antológica, exibida nesta noite. Marinalva conversava com Marcos, quando Emilly a interrompeu.
 
Mari (para Marcos): E olha que eu gosto de você.
Emilly: Claro que gosta. Ela quer cirurgia no nariz.
Mari: Você precisa de cirurgia na sua alma. 
 
Pano rápido.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Topo