Especial BBB17

Mauricio Stycer

Globo se explica por demora em expulsar Marcos e celebra relevância do BBB

Reprodução/TV Globo
Ieda e Vivian consolam Emilly após Tiago Leifert comunicar a expulsão de Marcos do "BBB17" Imagem: Reprodução/TV Globo
Maurício Stycer

Maurício Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Colunista do UOL

11/04/2017 04h01

Vinte e quatro horas depois de exibir imagens chocantes do assédio de Marcos sobre Emilly, a Globo decidiu expulsar o médico do “BBB17”. A demora da emissora foi justificada pelo apresentador Tiago Leifert como um cuidado necessário para “tomar a decisão correta, a decisão justa”. 

Na prática, a decisão só foi tomada porque a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher se envolveu no caso nesta segunda-feira (10). A delegada Viviane da Costa solicitou as imagens à Globo e concluiu haver “indícios de agressão física” a Emilly. 
 
A ação policial tira da Globo a responsabilidade pela expulsão de Marcos – o que, tudo indica, parece ter sido um dos objetivos da emissora no caso.
 
Isso explica por que, no domingo (09), depois de chamar Emilly ao confessionário e ouvir o seu relato (ela não denunciou nenhuma agressão física), a emissora optou por não fazer nada – o que eu classifiquei, em texto publicado no UOL, como uma covardia.

É preciso reconhecer que, ao menos desta vez, a Globo foi muito mais transparente do que no “BBB12”, quando o modelo Daniel foi expulso por “comportamento inadequado” e os participantes nunca souberam a razão do seu sumiço da casa. 
 
Ao explicar o caso Marcos para os espectadores, e depois para os participantes, o apresentador Tiago Leifert não poupou detalhes. Deu até uma pequena aula sobre a legislação que defende as mulheres de violência, a Lei Maria da Penha:
 
“A nossa casa está inserida em um contexto maior, que é o contexto da lei. E a gente ficou aguardando um parecer técnico sobre o assunto. Quando há, por exemplo, abuso psicológico, a vítima precisa ir ao confessionário ou precisa ir a uma delegacia e reclamar. Nas imagens que a gente viu, não há necessidade de você (Emilly) nos procurar pra reclamar. A delegada, de apenas olhar as imagens, pode pedir pra investigar o que aconteceu”. 
 
Mais curioso ainda, Leifert procurou reforçar um aspecto pouco valorizado do “BBB” – a sua relevância. “O BBB, como vocês sabem, é um programa de entretenimento. A gente faz isso pra divertir vocês. Só que muitas vezes o programa reflete a vida como ela é”, disse ao público.   
 
E acrescentou, ao final da dramática edição: “Que vocês aproveitem, na família de vocês, e discutam esse assunto, esses casos. Porque, às vezes, o BBB, que é um programa pra divertir as pessoas, um programa de entretenimento, traz assuntos relevantes. E pra gente, como brasileiros, sociedade, esse é um deles. Então, que vocês aproveitem pra discutir bastante”.
 
Não esqueço que o diretor Boninho, responsável pelo reality show desde a primeira edição, sempre rejeitou qualquer avaliação mais séria do programa. Numa célebre entrevista à "Folha", em 2010, chegou a dizer: “Big Brother não é cultura, não é um programa que propõe debates. É um jogo cruel, em que o público decide quem sai.” Nem sempre. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Maurício Stycer
Topo