Topo

Especial BBB18

Mauricio Stycer

Querendo participar como jogador, Leifert comete erros bobos

Reprodução/Globoplay
Tiago Leifert anuncia jogo da discórdia nesta segunda-feira (26) Imagem: Reprodução/Globoplay
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Colunista do UOL

27/02/2018 05h01

Na edição de sexta-feira (23), depois de mostrar um VT em que Diego dizia se sentir ameaçado em relação ao paredão que iria ser formado no domingo (25), Tiago Leifert entrou em cena e esclareceu o público: “Ele tá se sentindo ameaçado... Provavelmente ele vai escapar da indicação do líder e da votação da casa”. Dois dias depois, como vimos, a Família Lima indicou Diego ao paredão.

Nesta segunda-feira (26), o apresentador poderia, se quisesse, ter corrigido o erro. Seria transparente. Mas ele deixou passar sem falar nada. Talvez tenha avaliado que não foi um erro grave – e, de fato, não foi.

Assegurar que Diego não iria para o paredão foi um erro de avaliação. E ele só ocorreu porque o apresentador se tornou uma espécie de narrador do jogo, quase um participante. Esta situação já havia sido esboçada na 17ª edição, mas ganhou forma mais clara na atual.

Muito mais do que Pedro Bial fez ao longo de 16 edições, Leifert interfere abertamente, sem a preocupação em disfarçar, seja orientando o público, seja induzindo os participantes o tempo todo. 

Nesta segunda-feira (26), o apresentador cometeu um novo erro. Deu-se no “jogo da discórdia”. Caruso deveria indicar o participante mais “sonso”.  Escolheu Jessica. Diego discordou e indicou Gleici. Wagner discordou, mas antes de fazer a sua escolha, lançou no ar uma pergunta: “A definição de sonso?”

A pergunta não foi dirigida a Leifert, mas o apresentador se apressou em responder: “Uma pessoa meio tonta, meio bobona, que não está entendendo nada do que está acontecendo”.  Mahmoud observou: “Eu achei que era sapeca”. Paula corrigiu: “Sonso pra mim é quem finge muito”. 

Paula estava certa e Leifert, errado. Conforme a cristalina definição do dicionário “Houaiss”, sonso é “aquele que finge não ter defeitos ou se faz de simplório, palerma, inocente, mas faz coisas reprováveis dissimuladamente ou pelas costas; manhoso, dissimulado, santo do pau oco”.

O apresentador teria errado de propósito? Fingiu-se de sonso? O fato é que se ele tivesse dado a explicação correta, o jogo da discórdia ficaria ainda mais quente.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!