Topo

Especial BBB19

Mauricio Stycer



Paula representou a luta para "libertar" o BBB19 do "politicamente correto"

Reprodução/TvGlobo
Paula ouve Tiago Leifert falar sobre o resultado final do programa que a consagrou vencedora Imagem: Reprodução/TvGlobo
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Colunista do UOL

2019-04-13T00:22:40

13/04/2019 00h22

Assim que foi anunciado o elenco do "BBB19", em 9 de janeiro, escrevi no UOL um texto intitulado No papel, elenco do "BBB19" é o mais politicamente correto da história. Cheguei a esta conclusão lendo os pequenos perfis dos participantes divulgados pela Globo, além de frases soltas que eles disseram no processo de seleção.

O elenco incluía cinco participantes negros, o maior número na história do programa, além de ativistas de diferentes causas (defesa de animais, veganismo, feminismo, índios, ativismo social etc).

Não mencionei no meu texto, mas estava bem presente na minha memória o discurso feito oito dias antes, em sua posse, pelo presidente Jair Bolsonaro, quando disse: "Vamos libertar o país do socialismo, da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto."

Neste discurso, Bolsonaro reafirmou tópicos defendidos ao longo da campanha que já haviam causado polêmica e ajudado a alimentar a divisão na sociedade nos meses anteriores. A questão do "politicamente correto" opõe direita e esquerda e a discussão entre estes dois grupos se tornou pesada durante a eleição.

A escolha do elenco de um reality como o "BBB" demora meses. Acho muito provável que a busca por participantes considerados "politicamente corretos" não foi por acaso. A direção do programa tinha consciência que as questões defendidas por alguns selecionados dariam combustível para polêmicas dentro e fora do reality show.

Mesmo sem saber se Bolsonaro ganharia ou não a eleição, a produção do "BBB" apostou nesta combinação de elenco. De um lado, figuras com preocupações sociais; de outro, pessoas sem engajamento com "causas".

Na terça-feira, 29 de janeiro, duas semanas depois da estreia, Tiago Leifert disse: "A casa se dividiu. Ficou bem claro. Um grupo é mais 'cabeça', o outro prefere mais curtir a casa, falar de outros assuntos". A divisão, de fato, era visível, mas o apresentador omitiu que esta foi justamente a intenção da seleção do elenco.

As eleições de 2018 deixaram claro que o grupo chamado por Leifert de "cabeça" não iria ter simpatia da maioria do público. Estes participantes já entraram no programa derrotados.

Por uma série de fatores, o grupo que "prefere falar de outros assuntos" também não foi bem no jogo. Houve erros, jogadas mal pensadas e falta de sorte da parte deles. Apenas Carol, a que soube se articular melhor, foi longe (terminou em terceiro lugar).

Já Paula e Hariany se mostraram antagonistas perfeitas ao grupo "cabeça". De cara, representaram os perfis de independentes, sem relação ou compromisso com ninguém mais que estava lá.

Sorridente, mas silenciosa, a goiana chegou à final, mas foi desclassificada na véspera, após dar um empurrão justamente na amiga em meio a uma bebedeira.

Mas foi a mineira, em especial, que se sobressaiu. Desde o início questionou Danrley, Rodrigo e Gabriela com frases preconceituosas sobre uso de drogas, vida em favela, candomblé e cabelo. Paula se tornou símbolo da luta para "libertar" o BBB do "politicamente correto". Ao anunciar o resultado que a consagrou campeã, com 61% dos votos, Leifert elogiou a sua "audácia de ser imperfeita".

Em uma postagem no Instagram nesta sexta, ao pedir votos para Alan, que terminou em segundo lugar, Hana deixou claro ter consciência do que representava o grupo "cabeça": "Ele (Alan) representa um grupo que foi formado tendo como base ideologia", escreveu. Falando de sua postura feminista, disse: "Não imaginei que fosse durar muito tempo ali num país que tem medo de mulheres assertivas e sem medo".

Por fim, dirigindo-se aos que criticam a sua postura, Hana acrescentou: "Tudo que eu falo incomodou vocês esses três meses, então aqui vai mais uma pra coleção dos haters: Alan precisa ganhar do racismo."

É preciso dizer, por fim, que Boninho, Leifert e a equipe do "BBB" não tinham nenhum carinho especial pelo que os participantes do grupo "cabeça" representavam. As causas politicamente corretas serviram apenas como bucha de canhão na busca por audiência, ações comerciais e patrocinadores.

UOL Vê TV: Tudo que deu muito errado e o pouco que deu certo no "BBB19"

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL