Topo

Especial BBB19

Mauricio Stycer


"BBB" seleciona 2 grupos, força uma disputa e quer ver o público se dividir

Reprodução/GloboPlay
Danrley, Rodrigo, Alan e Hana foram apresentados por Leifert nesta terça (29) como integrantes do grupo "cabeça" Imagem: Reprodução/GloboPlay
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Colunista do UOL

2019-01-30T05:01:00

30/01/2019 05h01

Pela primeira vez na história do programa, a seleção dos participantes do "BBB" não buscou talentos individuais, ou clichês tradicionais, mas tipos que se ajustassem a um dos dois grupos vislumbrados antes mesmo de o reality show começar - um grupo mais "cabeça", como definiu Tiago Leifert, e outro que "prefere curtir a casa". 

É evidente que a direção do programa não vai admitir isso, mas basta olhar o perfil dos participantes selecionados para se dar conta que houve a clara intenção de estabelecer um conflito desta natureza previamente. 

Nesta terça-feira (29), festejando duas semanas de "BBB19", Leifert procurou passar outra impressão. "A casa se dividiu", ele disse, como se fosse algo imprevisto, que aconteceu nestes dias.

Dirigindo-se ao público, o apresentador explicou: "A gente estava conversando ao longo da semana com vocês sobre isso. Ficou bem claro. Um grupo é mais 'cabeça', o outro prefere mais curtir a casa, falar de outros assuntos." 

Um longo VT, então, apresentou os dois grupos. O primeiro foi chamado de "Cola com os zicardashians", numa alusão às irmãs Kardashian, riquinhas e famosas. Deste grupo fazem parte, segundo a edição, Gustavo, Isabella, Maycon, Diego, Tereza e Carol.

Foram apresentados por meio de uma seleção de frases soltas, fora de contexto: "Nunca lavei roupa na vida", disse Diego. "Não quero ser bonito", falou Maycon. "Sofri o pão que o diabo amassou lá em Milão", relatou Isabella.

O segundo grupo, apelidado de "Manifestou - Lacres com textão", conta com Rodrigo, Rizia, Gabriela, Danrley, Hana e Alan. Foram apresentados da mesma maneira. "Depende da criação de cada um, e de onde a gente veio", disse Rizia. "A nossa voz, o nosso grito, a nossa luta", esboçou Gabriela. 

Na tela, surgiram letreiros sobre este segundo grupo: "Todo dia tem aulão". "Lacre, lacrando, lacração". "Manifestantes". "Senta que lá vem textão".

Rodrigo apareceu falando sobre cinema: "'Aquarius' e 'Que Horas Ela Volta' são dois filmes que representam o Brasil contemporâneo". Na sequência, vimos Tereza, do outro grupo, bocejando.

O discurso de Leifert e a edição mostram que há um esforço, sem muita sutileza, no sentido de convencer o espectador a enxergar esta disputa. A intenção, imagino, é que o público adote um ou o outro lado e leve para as redes sociais esta polarização. Por quê? Nada como uma boa briga na internet para dar um impulso na popularidade do "BBB19". 

Será que vai dar certo?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL