Topo

Especial BBB19

Mauricio Stycer


Interferência? Torcida? Veja 10 comentários de Leifert em um só episódio

Tiago Leifert informa ao público o desenrolar da prova do anjo, que deu um carro a Tereza, no BBB19 - Reprodução
Tiago Leifert informa ao público o desenrolar da prova do anjo, que deu um carro a Tereza, no BBB19 Imagem: Reprodução
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

É jornalista desde 1986. Repórter e crítico do UOL, autor de um blog que trata da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Colunista do UOL

02/02/2019 05h01

Em sua terceira temporada à frente do "BBB", Tiago Leifert já consolidou uma atitude própria, original, em relação a de seu antecessor, Pedro Bial, que comandou o reality por 16 edições. 

Mais empolgado e ativo, o novo apresentador frequentemente confunde-se com um jogador. Às vezes, quando fala com o público, não é apenas para dar avisos, mas para comentar o desenrolar do jogo e orientar o olhar de quem está assistindo. 

Para alguns, ao agir dessa forma, Leifert cumpre um papel semelhante ao de Mr. Edição, influenciando a percepção que os espectadores têm do reality. Para outros, este jeito do apresentador ajuda a revitalizar o "BBB" e leva o público a se envolver mais com o programa.

No episódio desta sexta-feira (01), mesmo sem interagir com os participantes, Leifert fez uma série de observações e comentários que ajudam a entender o seu estilo como apresentador. Selecionei dez momentos e comento-os. 

1. "Você vai ver em todas as cenas uma frase ou um olhar ou uma atitude que mostram como cada jogador está pensando neste novo momento do jogo. Porque temos uma nova liderança".

Entendi como um comentário neutro, apenas realçando que a vitória de Carol colocou na liderança um outro grupo após a semana em que Hana foi a líder.

2. "Tem uma cena maravilhosa no final desse vídeo que é a Hana fazendo continha na cozinha e o pessoal no quarto do líder só de olho pela monitoração".

De fato, foi uma cena muito divertida. Mas o comentário é desnecessário. Qualquer pessoa notaria que foi uma boa cena mesmo se Leifert não falasse nada.

3. "É impressionante o que o Diego trabalha. Fica reparando que ele tá em todos os lugares. Ele vai, ele fala. Ele tá trabalhando, o Diegão."

Elogio ou crítica? Leifert está chamando a atenção para a atuação de Diego, sublinhando que ele é um articulador, um jogador. É uma interferência, em todo caso.

4. "Chegou a hora de dormir no quarto do líder. E a cama de casal, embora seja grande, só cabem três. Aí a Carol Peixinho decidiu dormir com o Diego e a Isabella. E o Maycon, que tá meio namorando a Isabella, ficou muito chateado. E esse fato vai se refletir na prova do anjo, de manhã. Olha só."

Excesso de didatismo novamente. Leifert está realçando o que todo mundo é capaz de ver. Essa narração, ao estilo "BBB para iniciantes", não faz muito sentido na 19ª edição.

5. "Onde a Paula falou Darlan, entenda-se Danrley. Ela chama o Danrley errado de Darlan até hoje, terceira semana de programa".

Aqui o apresentador, mesmo achando graça, está criticando Paula pela sua desatenção ou desinteresse em saber os nomes dos participantes.

6. "Lembra que eu falei que o fato do Maycon não ter dormido no quarto do líder ia se refletir na prova do anjo? Na hora de formar dupla, ele não quis formar dupla com a Isabella".

Mais uma fala de "BBB para iniciantes". Chato.

7. "É... Maicon se queimando".

O comentário, neste caso, vai bem além da descrição. É uma opinião de Leifert, que interfere na percepção do espectador após ouvir os comentários do Diego e Carol sobre a forma como Maycon agiu com Isabella.

8. "A Isabella ainda estava engasgada com o Maycon".

Outra constatação óbvia, que todos estão vendo.

9. "E o Dan tá preocupado..."

Também vimos isso e não era necessário que Leifert falasse.

10. "Maicon e Tereza tinham de entregar o monstro. E você vai ver que a sorte realmente mudou. Eles olharam pra todo mundo e foram nos que estavam mais preocupados (Hana, Alan e Gabriela)".

Opinião do apresentador, que não corresponde ao que vimos. Gabriela não estava tão preocupada quanto Danrley, por exemplo.

Em resumo, na minha visão, cinco destes comentários são anódinos - excesso de didatismo, redundâncias, vontade de falar. A outra metade configura opinião ou tentativa de orientar o olhar do espectador.