PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Livro recolhe “causos” sobre Adolpho Bloch

Mauricio Stycer

14/09/2010 17h08

Ainda não é, como observa Carlos Heitor Cony, a "biografia definitiva", aquela que fixará a imagem de Adolpho Bloch (1908-1995). Mas "Seu Adolpho" (editora Vermelho Marinho, 264 págs., R$ 29,90), de Felipe Pena, apresenta novos elementos que ajudam não apenas a visualizar melhor o criador do grupo Manchete como também, repetindo palavras de Cony, a conhecer um pouco mais o Brasil da segunda metade do século 20.

É o terceiro livro sobre o mesmo assunto publicado em pouco menos de dois anos. Em novembro de 2008, saíram "Aconteceu na Manchete – As histórias que ninguém contou", com depoimentos de vários jornalistas sobre o cotidiano nas publicações do grupo, e "Os Irmãos Karamabloch – Ascensão e queda de um império familiar", de Arnaldo Bloch, que narra a saga da família, de Jitomir, na Ucrânia, ao Rio de Janeiro.

"Seu Adolpho" coloca em prática uma teoria de Felipe Pena, que ele chama de "biografia sem fim". A história de Adolpho Bloch é relatada na forma de "causos", ou "fractais", como ele prefere, agrupados por assuntos. Segundo a sua proposta, a biografia não se encerra neste livro, mas seguirá ganhando novas edições na medida em que novos depoimentos surgirem e acrescentarem detalhes originais à trajetória do personagem.

Pena monta o seu quebra-cabeça a partir de uma série de biografias (David Nasser, Nelson Rodrigues, Samuel Wainer) que trataram de Bloch como personagem secundário, de diferentes estudos sobre a imprensa brasileira,  e ainda  colhe alguns depoimentos de pessoas que estiveram próximas ao criador da Manchete em diferentes momentos de sua carreira.

O publicitário Lula Vieira, por exemplo, conta ao autor que Adolpho Bloch queria que a TV Manchete, ao apresentar sua tabela de preços de publicidade, oferecesse também a opção de pagamento para a divulgação de reportagens. Diante da negativa do profissional, Bloch observou: "Mas isso não é mais honesto? Em vez de defender um ou outro anunciante, cobramos logo pela matéria".

Cony, tido por muito tempo como "ghost writer" de Bloch, ao lado de Otto Lara Resende, redefine seu papel nas publicações do patrão. Na verdade, diz ele, apenas colocava em português correto o que Bloch dizia em sua mistura de russo, iídiche e carioquês com sotaque: "Somos datilógrafos de luxo para um estrangeiro com dom narrativo e bom gosto literário", garante Cony.

A célebre desfaçatez de Bloch ao lidar com credores, sua reverência aos políticos e as folclóricas relações de amor e ódio com seus funcionários ganham novas cores nos depoimentos que formam "Seu Adolpho". Fernando Barbosa Lima relata o encontro do empresário com Itamar Franco e um ministro. "Eu apoio Itamar, ele tem que me ajudar", diz Bloch a Barbosa Lima. Ao final do encontro, o presidente diz: "Ministro, tire o pé do acelerador que o Bloch é meu amigo".

Pena reconta a história do dia em que Bloch é interrompido durante a soneca pós-almoço com a notícia que o presidente João Goulart e seu assessor Raul Riff o aguardam na portaria da empresa. Para surpresa do chefe da copa, ele manda arrumar a mesa novamente. "A vida me ensinou a almoçar tantas vezes quanto forem necessárias", ensina.

"Seu Adolpho" acrescenta, assim, novos elementos ao já vasto anedotário de Bloch. Fiel ao princípio da "biografia sem fim", não apresenta nenhuma conclusão sobre o personagem. Para um leitor mais exigente, a divertida leitura não faz desaparecer a sensação de que ainda há muitas lacunas nesta história.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.