Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Por que Boninho agora acha importante discutir tabus no BBB?

Mauricio Stycer

20/01/2011 10h50

Em março de 2010, com o BBB10 pegando fogo por causa da presença de três gays assumidos na casa, o diretor Boninho disse à "Folha": "Não colocamos ninguém no BBB para discutir homo ou heterofobia, minorias… Não escolhemos um personagem representando coisas. O fato de ser ou não homossexual não é para interagir no jogo. Não estou preocupado se o cara é gay ou não. Ele não vai entrar por ser gay, mas pelo que traz para a competição."

Dez meses depois, ao comentar a saída da transexual Ariadna do BBB11, após uma passagem-relâmpago de oito dias pela casa, Boninho escreveu: "jamais imaginei que fosse diferente na hora do paredão, mas valeu falar sobre o tema." Também escreveu: "Foi bacana a tentativa de deixar a Ariadna, a campanha baixou 7 pontos. De 56 para 49, uma vitória de quem tentou!"

Momentos antes, ainda ao vivo no programa, ao receber a transexual recém-eliminada, a primeira pergunta de Pedro Bial foi: "Ariadna, você acha que a sua participação no Big Brother Brasil pode ajudar as pessoas a entenderem melhor a questão dos transexuais?"

O que aconteceu? Em qual Boninho o público deve acreditar? No que não estava nem aí para as nuvens de homofobia que sobrevoaram o BBB10? Ou no sujeito satisfeito por falar do "tema" transexualidade no BBB11? O que o levou a mudar de opinião?

Deixo a pergunta no ar porque, realmente, não sei responder.

Normas para comentários
: Os comentários no blog são moderados previamente. Pode criticar a vontade, inclusive o blogueiro. Veto textos com acusações sem provas e ofensas, seja a pessoas citadas ou a outros comentaristas. Também não aceito textos escritos em maiúsculas (caixa alta) ou com links. Palavrões pesados e grosserias serão vetados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.