PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Aguinaldo Silva lamenta “patacoada” da direção no fim de “Fina Estampa”

Mauricio Stycer

09/03/2014 18h47

finaestampa

Aguinaldo Silva já tinha reclamado, em seu blog, do "descaso" com que "Fina Estampa" (2011-12), sua última novela, foi tratada pela direção na fase final. A trama foi dirigida por Wolf Maia, que também fez um papel na história.

Neste domingo (09), ele foi mais específico e, como todos que assistiram à cena, reclamou da forma como foi mostrado o naufrágio do barco onde estavam a protagonista Teresa Cristina (Christiane Torloni) e Pereirinha (José Mayer) no último capítulo da trama.

O que era para ser uma cena dramática, acabou resultando num pastelão, ou numa "patacoada" (um disparate), como disse a "O Globo":

"O final merecia uma direção mais atenta e cuidadosa. O terço final da novela ficou ao deus-dará. Via coisas que me deixavam arrepiado. Aquela sequência do naufrágio virou patacoada. Era dramática, houve erros clamorosos. Sou a mais gentil das criaturas, mas quando eu digo chega, é chega. Fiquei chateado."

Em outra passagem interessante da entrevista, Aguinaldo diz que a próxima novela das 21h, que já está escrevendo, "Falso Brilhante", será o que chama de "um novelão". O autor diz que está sentindo falta de uma trama assim no horário. E explica por quê:

"As pessoas estão muito preocupadas com temáticas, com merchandising social. Novela é ficção. Novelão é o que se fazia antigamente, aqueles que eletrizavam o país, deixavam as pessoas enlouquecidas. Como 'O Astro' (1977) com o 'quem matou Salomão Hayalla?'. Novela é isso, não é tese sociológica. E nem jornalismo, denúncia. Se você quer reportagem, vá assistir ao 'Globo Repórter'. Folhetim são tramas, histórias. Se não tem isso, fica 'casal gay quer adotar um filho'."

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.