PUBLICIDADE
Topo

Globo vetou menção a marcas e concorrentes no ‘Casseta”, lembra humorista

Mauricio Stycer

12/04/2014 16h53

claudiomanoelIntegrante do núcleo de humor, criado pela direção da Rede Globo para discutir ideias e propor novos programas, o humorista Claudio Manoel festejou a estreia de "Tá no Ar" em sua página no Facebook. "Parabéns a todos envolvidos, aos queridos amigos Leonardo Lanna, Marcius Melhem e Adnet e, mais especialmente ainda, congratulations aos 'novos tempos'."

Integrante do grupo Casseta Popular desde os primórdios, quando ainda era uma publicação universitária, Claudio Manoel participou como redator da criação do programa "TV Pirata" (1988) e, depois, do "Casseta & Planeta Urgente" (1992), onde também atuava.

Em sua mensagem de felicitações à turma do "Tá no Ar", o humorista lembrou que muito do que o novo programa mostrou de mais ousado esta semana era proibido pela direção da Globo na época em que fazia o "Casseta & Planeta – em especial as piadas com marcas conhecidas e programas de emissoras concorrentes. Por isso a menção aos "novos tempos" quando congratula a equipe do novo programa.

Veja abaixo a mensagem de Claudio Manoel:

"Já tem tempo pra cacete, pra lá de 15 anos, quando chegaram as 'novas lá de cima', que nos vetava qualquer possibilidade de brincar com 'marcas' (o que fazíamos desde o TV Pirata e 'trouxemos' pro Casseta. Tivemos que nos 'virar' e a coisa boa foi que, dessa situation, nasceram as 'Organizações Tabajara') e também proibia mexer com qualquer formato/personagem da 'concorrência'… (anos depois, a encrenca chegou na política, mas isso é outra história) Ontem, esses 'tabus' caíram com a estreia do 'Tá no Ar'. Parabéns a todos envolvidos, aos queridos amigos Leonardo Lanna, Marcius Melhem e Adnet e, mais especialmente ainda, congratulations aos 'novos tempos'. Nós sentimos muito a falta desse oxigênio, que bom que vocês puderam respirar ares mais frescos. Façam bom proveito. Voem!"

Leia também
"Tá no Ar" faz crítica rápida, mas certeira dos absurdos da TV

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer