Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Marcelo Adnet sonha em parceria Globo-SBT para refazer "Chaves"

Mauricio Stycer

17/02/2016 05h01


Exibido entre o final de 2015 e o início deste ano, o remake da "Escolinha do Professor Raimundo" mexeu com a imaginação de Marcelo Adnet, que viveu Rolando Lero no programa.

A ideia de escalar um grupo de atores da nova geração para viver personagens imortalizados por atores mais velhos, muitos deles já falecidos, inspira o humorista a sonhar com um outro projeto, ainda mais ousado: o remake de "Chaves".

"A Globo tinha que fazer uma parceria com o SBT, que não tem elenco para isso. A Globo cede os atores e o programa passa nas duas emissoras", propõe.

chavesbolanos2O elenco do remake do "Chaves" já está escalado na cabeça do ator: "Mateus Solano de professor Girafales. Pedro Cardoso de Seu Madruga. Senhor Barriga com Leandro Hassum, Tatá Werneck como Chiquinha." E Chaves? "Ia ser mais difícil", diz, com modéstia.

O SBT exibe os mesmos episódios de "Chaves" há mais de 30 anos. O seriado sempre garantiu uma boa audiência à emissora, mesmo mudando de horário sem maiores avisos ao público. Desde o final de janeiro deste ano, "Chaves" deixou de ter exibição diária – só vai ao ar, atualmente, aos sábados e domingos.

Adnet está no ar, até abril, com a terceira temporada do "Tá no Ar". Ainda que o projeto de um "Chaves" em parceria com o SBT seja apenas um sonho distante, o programa da Globo conseguiu algo considerado muito difícil este ano – uma participação especial de Carlos Alberto de Nóbrega, autorizado por Silvio Santos.

O maior ídolo de Adnet na TV, não precisa dizer, é Silvio Santos: "Ele é tudo ao mesmo tempo. É mito, referência, empresário, apresentador, é carismático, é popular." Outra admiração, mais recente, é Galvão Bueno: "Acho que entendi o Galvão. Vendo um jogo narrado pelo Galvão você ouve coisas únicas."

Uma curiosidade sobre o personagem "Militante Revoltado", que interpreta no "Tá No Ar". Ele foi inspirado por um amigo, Carlinhos, produtor de teatro. "Uma vez, numa mesa de bar, ele brincou falando daquele jeito." O ator gosta muito do personagem. "É um tipo complexo. É uma crítica, mas não é".

No segundo semestre, Adnet deve comandar um talk-show semanal na Globo.

Em tempo: O ator me falou do sonho de refazer "Chaves" durante uma longa conversa que tivemos em dezembro de 2015 para a realização de uma reportagem publicada em janeiro pela revista Serafina, da Folha:
Em alta na Globo, Marcelo Adnet fará talk show 'nada a ver com o Jô'

Veja também
Corajoso, Tá no Ar segue rindo da Globo, dos telepastores e da concorrência
SBT tira "Chaves" de segunda a sexta e estica novelas mexicanas

O blog está no Twitter e no Facebook.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.