Topo

Em programa emocionante, Tá no Ar lembra que o humor tem história e avança

Mauricio Stycer

18/04/2018 01h04


No último episódio da temporada 2018, exibido nesta terça-feira (17), o "Tá no Ar" deixou de lado a sua proposta original – rir dos absurdos, exageros e distorções da televisão – para fazer uma homenagem emocionante a diferentes gerações de humoristas.

Recorrendo a imagens de arquivo e a esquetes gravados agora, o "Tá no Ar" lembrou de um sem número de programas de humor do passado, desde "Satiricom", mostrou dezenas de humoristas da velha guarda e reverenciou uma infinidade de nomes.

Anotei alguns, mas é uma lista impossível de compilar num texto curto como esse: Chico Anysio ("o maior comediante do Brasil"), Jô Soares, Renato Aragão e os Trapalhões, Ronald Golias, Grande Otelo, Costinha, Paulo Silvino, Dercy Gonçalves, Nair Bello, Berta Loran, Agildo Ribeiro, Lucio Mauro, Juca Chaves, Tom Cavalcante, a turma do TV Pirata, Bussunda e o Casseta & Planeta, entre muitos outros.

Na vinheta de encerramento, o especial do "Tá no Ar" também lembrou de programas de humor e comediantes de gerações próximas aos criadores do programa, como Comédia MTV, Hermes e Renato, Pânico e Porta dos Fundos. E, não menos importante, ainda que rapidamente, chamou a atenção para uma geração mais nova, em particular a turma do Choque de Cultura. "Que legal ver chegar gente nova que vem pra somar, fazer rir, e seguir, juntos e misturados no ar", cantou o humorístico.

O especial lembrou, mais uma vez, que humor é processo, tem história, construída degrau a degrau, e a piada de hoje só é possível porque a piada de ontem, velha, fez graça no seu tempo. "Respeito com quem vem antes, generosidade com quem vem depois", diz Marcius Melhem, um dos criadores do "Tá no Ar", ao lado de Marcelo Adnet e Mauricio Farias.

No início desta quinta temporada, me perguntei se o "Tá no Ar" havia chegado no seu limite – não por culpa do excelente time que faz o humorístico, mas pelo fato de a televisão, que serve de matéria-prima ao programa, se repetir demais. Ao final de 13 episódios, sigo com a impressão de que falta frescor, mas preciso acrescentar que, mesmo surpreendendo menos, o "Tá no Ar" continua afiado, abusado e, muitas vezes, genial.

Veja também
Louvado seja o Tá no Ar
"Tá no Ar" cansou? Programa segue ótimo, a culpa é da TV que não muda
Livro do "Tá no Ar" revela bastidores e como nasceram os maiores sucessos


Comentários são sempre muito bem-vindos, mas o autor do blog publica apenas os que dizem respeito aos assuntos tratados nos textos.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer