Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Sequência de erros expõe inexperiência da nova gestão do Esporte da Globo

Mauricio Stycer

2007-06-20T19:10:47

07/06/2019 10h47

Num processo planejado desde 2016, iniciado no ano seguinte e concluído agora em 2019, a área de esporte da Globo se tornou uma unidade autônoma, independente do jornalismo, e colocou todas as suas atividades (Globo, SporTV e globoesporte.com) sob um mesmo guarda-chuva.

Sob a direção de Roberto Marinho Neto (foto) esta nova unidade promoveu dezenas de demissões, levou à saída de inúmeros jornalistas veteranos e deu espaço a uma nova geração no comando das operações.

Uma das frentes da nova unidade, como me foi informado no final de 2017, é "ampliar o olhar sobre oportunidades junto aos clientes, estudando inclusive modelos mais próximos ao entretenimento". Isso implicou, por exemplo, em adendos aos contratos de narradores e comentaristas, permitindo que falassem de marcas durante as transmissões e fizessem publicidade.

Internamente, credita-se à inexperiência da nova gestão uma série de problemas recentes. Nos últimos 30 dias, uma sucessão de erros chamou a atenção de quem acompanha a área de esportes da emissora. Veja abaixo:


Ivan Moré: No dia 5 de maio vazou a informação de que o jornalista seria sacado da apresentação do "Globo Esporte", em São Paulo, após quatro anos à frente do programa, para se dedicar à reportagem. Não foram divulgados os motivos. Moré, naturalmente, se sentiu desprestigiado e viu surgirem oportunidades fora da Globo. Já a emissora, possivelmente informada de uma negociação com a Record, não permitiu que o apresentador se despedisse do público no "Globo Esporte". No seu lugar foi escalado Felipe Andreolli. Moré vai ser a cara da Record durante os Jogos Pan-americanos, em Lima.


Sidão: Em 13 de maio, o goleiro do Vasco foi humilhado ao vivo ao receber o troféu de "Craque do Jogo" após ter falhado na derrota do seu time para o Santos. Foi uma "zoeira" da internet que levou à sua votação. Na cabine de transmissão, Luis Roberto e os comentaristas Walter Casagrande e Roger Flores foram contra a entrega do troféu, mas a direção exigiu que a repórter Julia Guimarães cumprisse o ritual. A repercussão foi péssima. Até mesmo Casagrande se solidarizou com Sidão. A Globo pediu desculpas ao goleiro.


Craque do jogo: Após o fiasco com o goleiro do Vasco, a Globo decidiu mudar as regras do "Craque do Jogo". Agora, o voto do público vale um, enquanto os comentaristas da emissora têm direito a dois votos. Nem assim, a promoção comercial tem funcionado direito. Esta semana, no amistoso entre Brasil e Catar, o amigo internauta escolheu Neymar como "craque do jogo" – o atacante jogou por 17 minutos apenas. Claramente, esta promoção já era – só falta a Globo anunciar o seu cancelamento.


Ana Helena Goebel: No dia 5 de junho, a Globo anunciou que a repórter Ana Helena Goebel foi afastada da cobertura da Copa América. O motivo: dúvidas éticas sobre uma reportagem que realizou com o volante Cuellar, do Flamengo. O assunto principal da entrevista foi o desejo do jogador atuar na Europa. O problema é que o empresário de Cuellar é casado com a repórter que fez a entrevista, o que configura conflito de interesses por parte dela. Ninguém sabia disso na emissora?


Mauro Naves: No mesmo dia, à noite, durante o "Jornal Nacional", William Bonner anunciou que um dos mais experientes repórteres esportivos da Globo foi afastado do trabalho temporariamente. Naves não avisou a emissora que encaminhou contatos do pai de Neymar para José Edgard Bueno, o primeiro advogado que representou Najila Trindade, mulher que acusa o jogador de estupro. A forma como a Globo tratou do assunto, expondo publicamente Naves no JN, causou enorme incômodo entre profissionais da própria emissora. Muitos temem a demissão do jornalista. Segundo o jornalista Daniel Castro, Bonner não falou o que seria o verdadeiro motivo do afastamento de Naves.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.