Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Por que grandes produtores estão “resgatando” suas séries da Netflix

Mauricio Stycer

2030-06-20T19:05:01

30/06/2019 05h01

A rede americana NBC anunciou na terça-feira (25) que a série "The Office" será exibida nos Estados Unidos, a partir de 2021, exclusivamente no novo serviço de streaming do grupo. A Netflix perderá, assim, o título mais visto em sua plataforma em 2018.

A notícia não afeta o consumidor brasileiro, por enquanto. "The Office" não faz parte do catálogo da Netflix no Brasil, mas está disponível em dois outros serviços de streaming, Globoplay e Amazon Prime.

O que interessa acompanhar é o movimento de "resgate" da série pelo canal que a produziu e exibiu originalmente entre 2005 e 2013. Como muitos outros produtores de conteúdo, a NBC ajudou a Netflix a erguer um sólido catálogo.

O licenciamento de séries, quando o streaming ainda engatinhava, representou uma receita importante para empresas como NBC, Fox, Disney e tantas outras. Elas não se deram conta, porém, que estavam levando o espectador a adquirir novos hábitos.

Ao oferecer séries inteiras para os seus assinantes, a Netflix ajudou a popularizar o "binge watching", ou seja, o hábito de fazer maratonas. O serviço de streaming também ensinou ao espectador que é muito melhor assistir ao seu programa favorito no ritmo que ele bem entende, e não segundo o calendário determinado pela televisão.

Registre-se que a Globo sempre se recusou a licenciar o seu conteúdo para a Netflix. Em 2013, numa entrevista que fiz com Ted Sarandos, um dos principais executivos da empresa, ele reclamou do "excesso de cautela".

O resgate de "The Office" pela NBC é simbólico, neste sentido. Num momento em que as grandes produtoras de conteúdo estão se transformando, também, em plataformas de exibição digital, é natural que queiram resgatar os seus tesouros.

Como se sabe, a Disney, que adquiriu a 21st Century Fox, vai lançar ainda este ano o seu serviço, chamado de Disney+. A AT&T, dona da Warner e da Turner, também se prepara para oferecer um serviço do gênero. E a Apple acaba de comunicar que terá o seu, batizado Apple TV +.

Em resposta à remoção de títulos por parte dos grandes estúdios, a Netflix corre para engordar o seu catálogo. Segundo um levantamento, em dezembro do ano passado, 11% do catálogo da Netflix nos Estados Unidos já era formado por produções próprias, contra apenas 4% há dois anos.

Stycer recomenda

. Rachel Sheherazade manda indireta após patrocinador pedir sua cabeça no SBT

. Breaking Bad: Bryan Cranston e Aaron Paul deixam fãs pirando com post misterioso

. Seleção feminina atingiu mais de 88 milhões de pessoas na TV aberta

. Em A Dona do Pedaço, metade dos personagens quer dar golpes na outra metade

Melhor da semana
Teste do UOL Vê TV: Quem é você no júri do Show dos Famosos do Faustão?

Pior da semana
Globo "esquece" Mauro Naves na geladeira e nem o convida para se explicar

Este texto, originalmente, foi acessado por quem está inscrito na newsletter UOL Vê TV, que é enviada às quintas-feiras por e-mail. Para receber, gratuitamente, é só se cadastrar aqui.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.