Topo
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Praça defende Bolsonaro de tentativa de golpe do "ditador" João Plenário

Mauricio Stycer

19/07/2019 20h19

No final de maio, após um encontro festivo com Jair Bolsonaro, em Brasília, Carlos Alberto de Nóbrega disse ao blog que temia um golpe contra o presidente. "O que eu tenho medo é que haja um impeachment do Bolsonaro e tenha uma ditadura no Brasil".

Nesta quinta-feira (18), o humorístico "A Praça É Nossa", do SBT, fez piada com o assunto. O corrupto João Plenário (Saulo Laranjeira) apareceu em cena anunciando a intenção de instaurar a ditadura no Brasil. Carlos Alberto contestou: "Isso aqui é um país democrático". Ao que o deputado observou. "Por isso está esta casa da mãe Joana. Todo mundo faz o que quer".

Reclamando de Bolsonaro e do ministro Sergio Moro, da Justiça, João Plenário se manifestou insatisfeito com a dificuldade atual, segundo ele, de fazer negócios ilícitos. "A Polícia Federal deita e rola em cima dos políticos. Ninguém pode mais… recebi uma propininha. Não pode mais desviar um dinheirinho público. Chega!"

Cazalbé retruca: "Tá com medo?" Plenário responde: "Queremos de volta os direitos políticos. Ditadura já!". Ao que o comandante da Praça diz: "O direito que vocês querem é o direito de continuar roubando, de meter a mão no dinheiro do povo".

Em seguida, Carlos Alberto enfatiza a defesa do governo Bolsonaro: "O senhor só se esqueceu de uma coisa: o governo tem sustentação. Tem partidos apoiando o governo. O povo tá apoiando o governo".

Ao final, Plenário consegue quatro apoiadores para o golpe. São quatro pessoas usando camisa de força, saídas de um manicômio. "Só louco mesmo", diz Carlos Alberto.

Em junho, Carlos Alberto relatou ao site Notícias da TV que, ao se encontrar com Bolsonaro em Brasília, ouviu do presidente: "No meio da cerimônia ele me solta: 'Vou lá um dia'. E se ele realmente for, será um maravilhoso problema para eu resolver".

Veja abaixo:

Em sessão com presença de Bolsonaro, Carlos Alberto é homenageado

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mauricio Stycer