Topo
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Deputados querem que novelas bíblicas sejam “patrimônio cultural” do Rio

Mauricio Stycer

10/08/2019 10h39

Cena de "Os Dez Mandamentos", novela bíblica exibida pela Record

Três deputados ligados à Igreja Universal apresentaram esta semana um projeto de lei que, se aprovado, torna as novelas bíblicas da Record "Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial do Estado do Rio de Janeiro".

O projeto traz a assinatura dos deputados estaduais Carlos Macedo (PRB), bispo da Universal, Daniel Librelon (PRB), pastor da Universal, Tia Ju (PRB), também ligada à igreja, e Rosenverg Reis (MDB).

Sem mencionar a Record, o projeto fala em "telenovelas bíblicas produzidas pelas emissoras de televisão brasileiras", mas não resta qualquer dúvida do alvo do agrado. Desde 2015, com "Os Dez Mandamentos", a emissora de Edir Macedo já produziu seis novelas bíblicas e não tem nenhum concorrente fazendo algo parecido.

A principal justificativa para o projeto é que as novelas bíblicas "manifestam saberes e formas de expressão cênicas, plásticas, musicais e lúdicas de uma imensa parcela da nossa população, recriando a interação com a sua história de vida".

"Nossa intenção é reconhecer como patrimônio imaterial do Rio de Janeiro aquilo que já é um patrimônio da humanidade: os exemplos das histórias bíblicas", diz ao blog a deputada Tia Ju. "Ainda mais naquilo que o Brasil tem de melhor até como produto de exportação que é a teledramaturgia", acrescenta.

"É um escárnio", protesta o deputado Carlos Minc (PSB). "Ao invés de propor políticas para educação, saúde, segurança, pegam temas de besteirol ideológico. Do ponto de vista de política pública, é zero. Não tem nenhum significado prático. Perde-se tempo e dinheiro com uma coisa dessas, sendo aprovado ou não", critica.

Publicado no site da Alerj nesta sexta-feira (09), o projeto de lei 1.017/2019 tem um longo caminho pela frente antes de virar lei. Ele precisa passar, inicialmente, por duas comissões, Constituição e Justiça e Cultura, antes de chegar ao plenário.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer