Topo

Coluna

Chico Barney


"Precisa haver limite", diz Ciro Bottini sobre merchans em A Dona do Pedaço

O mitológico Ciro Bottini falou sobre A Dona do Pedaço - Reprodução/Montagem
O mitológico Ciro Bottini falou sobre A Dona do Pedaço Imagem: Reprodução/Montagem
Chico Barney

Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

09/11/2019 11h57

A Dona do Pedaço é um marco para a Rede Globo. Nunca antes na história deste país tivemos a oportunidade de acompanhar uma miríade tão fascinante de modelos de inserções publicitárias em uma novela. Grandes anunciantes estão aproveitando bastante o afrouxamento das regras para merchandising na emissora. No espaço de apenas uma semana, por exemplo, seis marcas diferentes promoveram seus produtos na trama, de acordo com levantamento do site Notícias da TV.

Para debater o assunto, convidei Ciro Bottini, o mais reconhecido vendedor da TV brasileira. Com um jeitão divertido e cheio de bordões, apresenta ofertas em ótimas condições há mais de 20 anos, além de fazer sucesso como palestrante motivacional. Leia o que ele pensa sobre a movimentação.

Como o senhor enxerga a mudança nas regras de publicidade da Globo, que permitiu mais ações de marketing na novela "A Dona do Pedaço"?

Eu, Bottini, adorei. Antes, as ações de merchandising apareciam de maneira meio envergonhada, né? Muito disfarçado. A marca aparecia de canto. Eles tinham medo de vender. E eu, Bottini, claro, não tenho medo de vender, né, Chicô?

Eu adoro venda, adoro marketing, adoro publicidade. Da maneira como eles fizeram nessa novela achei muito mais espontâneo, muito mais divertido, muito mais claro. E para o telespectador, eu andei vendo bastante cenas, eu achei que ficou muito mais divertido, ficou muito mais legal, muito mais natural. O personagem sai da cena, entra em uma ação de venda, em um comercial de TV e volta para a cena. Achei bem novo, criativo, achei legal. Eu adorei. Sem medo de vender!

E é bom pro público e é bom pro anunciante, pois o tempo de exposição é maior. E outra coisa, foge do 'break', aquele momento em que o telespectador pode dar uma saída da sala, vai tomar uma água, fazer um xixi. Nesse momento, não. Ele tá no meio da cena, não sai daquele contexto. Achei bem legal. Achei ótimo.

O excesso de marcas e produtos em um mesmo capítulo pode banalizar o meio?

Olha, eu entendo que precisa haver, sim, um certo limite nas ações de merchandising. Se não, a novela vai virar o quê? Shoptime! (risos)

Mas veja... Eu entendo que uma é pouco, hein? Duas, três... A cada, sei lá, 15 minutos de conteúdo artístico, pode inserir uma ação de venda. Não tem problema nenhum. Se for bem divertida, bem legal, objetiva, bem feita, rápida, vai passar e vai entrar no conteúdo e o espectador vai gostar, vai absorver. Vai por mim. Vai ser legal.

Existem pontos a melhorar na forma como está sendo feito? Qual a dica do especialista?

Sinceramente, Chicô... Eu achei bem legal. Bem legal no formato, me surpreendeu. A Globo normalmente tem essa leve tendência a dar uma engessada em tudo. E por incrível que pareça, eu achei até bem espontâneo. Ficou legal, ficou bom. O que eu vi com a Vivi Guedes, com a Maria da Paz, com Fabiano Augusto, achei bacana. Dá para melhorar? Claro, sempre dá para melhorar. Então eu apostaria ainda mais na espontaneidade do vendedor e do personagem. Esse, para mim, é o caminho.

Para o público, qual o senhor acha que é a diferença entre anunciar no intervalo ou no próprio capítulo da novela?

É claro que a absorção da mensagem publicitária dentro do capítulo é muito maior. O público tende a se dispersar um pouco no intervalo. E no meio do capítulo, não. A mensagem já está inserida naquele contexto, então o cara recebe de mente muito mais aberta. E acho que fica mais legal, também. Para o público é bom e para o anunciante é sensacional, né?

Agora que as novelas estão com métodos mais agressivos de merchandising, podemos imaginar Ciro Bottini como novo galã da Globo em breve?

Se precisarem de um vendedor, eu, Bottini, vou! "Queremos um galã, Bottini!" Então sou eu! Vendedor galã Bottini, para vender, vender, vender na novela! Pode me chamar que eu tô chegando, hein!

***
Ciro Bottini confidenciou à coluna que é ouvinte do podcast UOL Vê TV. A mesa-redonda sobre televisão, comandada por Maurício Stycer, Flávio Ricco e este que vos escreve, é uma verdadeira coqueluche entre os famosos. Não fique de fora dessa onda e venha prestigiar.

No episódio mais recente, entrevistamos o grande Léo Dias, apresentador do SBT e também colunista do UOL. "Uma aula de jornalismo" e "um dos melhores programas novos de 2019" foram apenas alguns dos elogios que recebemos pelo papo. Está disponível no YouTube em todos os outros aplicativos de áudio, como o Spotify.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.

Chico Barney