PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Fefito


Mercado de caravanas e figurantes vive crise sem programas e novelas

SBT gravou o programa "Roda Roda" sem plateia - Divulgação/SBT
SBT gravou o programa "Roda Roda" sem plateia Imagem: Divulgação/SBT
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

01/04/2020 17h28

Resumo da notícia

  • Caravanistas já estão há três semanas sem trabalho e só preveem retorno para julho ao agosto
  • Prejuízo para empresas de figuração pode chegar na casa dos R$ 100 mil
  • Programas de TV têm recorrido a reprises ou gravado sem auditório

Não são apenas os famosos que pararam de trabalhar com a suspensão das novelas e de alguns reality que shows. Organizadores de caravanas para programas de auditório e empresas que emprestam figurantes às tramas também passam por uma crise financeira. "Chegaram a suspender uma turma que organizei com as pessoas já no ônibus, por orientação da vigilância sanitária. Estávamos indo gravar um programa de culinária da Band", afirma Regiane Garcia, da Caravanas TV, que emprestaria figurantes para o "Pesadelo na Cozinha", comandado por Erick Jacquin.

Desde o último dia 15, a empresa de Regiane não consegue trabalhos. Todos os auditórios de programas de TV de emissoras como Globo, SBT e Record foram suspensos. Atrações como "Domingão do Faustão" e "Roda Roda" tiveram de recorrer a melhores momentos ou gravar sem plateia. "O prejuízo é enorme e só temos previsão de voltar ao trabalho em julho ou agosto", afirma a empresária, que afirma que organizadores de caravana chegou a tirar entre R$ 1.000 e R$ 3.000 de renda extra. "O valor varia dependendo de você fazer só uma emissora ou várias."

Amigo de Regiane e também caravanista, Josué Levi acha que vai demorar para tudo voltar aos eixos. "Caravanas lidam com aglomeração de pessoas, o que não é recomendado nesse momento. O que nos resta é torcer para que isso passe logo", diz o microempresário, que se preocupa com o momento econômico. "Por enquanto não tenho Plano B, até porque está todo mundo em quarentena. Já são três semanas sem ganhar nada, é complicado."

Não é só mercado de caravanas que passa por uma crise. No Rio de Janeiro, empresas que emprestam figurantes à Globo e Record calculam prejuízos na casa de R$ 100 mil. "Existem pessoas que vivem exclusivamente com o dinheiro da figuração e conseguem ganhar pelo menos R$ 2.000 por mês", afirma o dono de uma empresa, que preferiu não se identificar.

Inicialmente, a ideia foi diminuir o número de figurantes em cena, mas, posteriormente, todas as novelas e séries foram suspensas por tempo indeterminado. Só na Globo foram interrompidas as produções de "Amor de Mãe", "Malhação - Transformação", "Nos Tempos do Imperador" e "Salve-se Quem Puder", além da próxima trama das nove, "Um Lugar ao Sol", e das séries "Mal Secreto" e "O Anjo de Hamburgo".

Fefito