Topo

Coluna

Flávio Ricco

Jornalismo da Record está à beira de um ataque de nervos

Reprodução/TV Record
A jornalista Janine Borba apresenta o "Jornal da Record" Imagem: Reprodução/TV Record
Flávio Ricco

Jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu o "Programa Ferreira Netto" e integrou a equipe do "SBT Repórter". Escreve sobre televisão desde 2003. colunaflavioricco@uol.com.br

Colunista do UOL*

16/11/2017 00h05

Em toda e qualquer redação, se não rolar um estresse de vez em quando ou quase todo dia, nunca será uma redação que se preze.

No “Jornal da Record”, o problema é a seriedade com que isso é levado. Temperatura a mil o tempo todo, deixando sempre a maioria à beira de um ataque de nervos.

Caso recente de uma produtora, que de tanta pressão e de uma crise de choro, deixou o local de trabalho alegando que iria procurar um médico. Mais tarde, com o apoio de colegas, ela voltou à redação. 

Mesmo não sendo um fuzuê de agora, o que se observa é que a cada dia está ficando pior.

A última vítima de mais um dia tenso foi a coordenadora de rede Cláudia Marques na segunda-feira, caracterizando outro caso da santa paciência bater nas alturas.

A Record, por sua vez, diz desconhecer qualquer tipo de desavença nos interiores do seu jornalismo na sede da Barra Funda, em São Paulo.

Mas será que é assim mesmo? Diante de tantos casos repetidos não seria de bom juízo examinar melhor a razão dessas inúmeras e lamentáveis ocorrências? Segundo a maioria, ela, a razão, tem nome e sobrenome bem conhecidos.

*Colaborou José Carlos Nery

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!