Topo

Coluna

Flávio Ricco


Novelas, Silvio Santos e Praça foram destaques do "Top 20" do SBT em maio

Lourival Ribeiro/SBT
Sophia Valverde e Igor Jansen, da novela "Poliana", a mais assistida do SBT Imagem: Lourival Ribeiro/SBT
Flávio Ricco

Jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu o "Programa Ferreira Netto" e integrou a equipe do "SBT Repórter". Escreve sobre televisão desde 2003. colunaflavioricco@uol.com.br

Colunista do UOL*

2019-06-08T00:05:00

08/06/2019 00h05

O SBT, no consolidado de maio, conseguiu o segundo lugar de audiência na média das 24 horas na Grande São Paulo com 6,5 pontos, de acordo com o Kantar Ibope.

Um índice 25% superior ao registrado pela Record, terceira colocada, que encerrou o mês com 5,2. A Globo liderou com 12,4.

Além de garantir a vice pelo 26º mês consecutivo no principal mercado do país, a rede de Silvio Santos encerrou o período com 32 atrações na segunda colocação.

O detalhe interessante é que, se consideramos apenas o seu "Top 20", com as vinte maiores audiências, 17 são de produções do próprio SBT, com destaque para novelas, Silvio Santos e "A Praça é Nossa".

Confira o ranking:

1º - "As Aventuras de Poliana" - 11,9 pontos
2° - "Programa Silvio Santos" - 11,7
3°- "A Praça é Nossa" - 10,9
4º- "Cúmplices de um Resgate"- 10,5
5º- "Roda a Roda Jequiti (Dom)" - 10,4
6º- "Roda a Roda Jequiti (Seg a Sex)"-10,4
7º- "Tele Sena" - 10,2
8º- "Programa do Ratinho" - 9,2
9º- "Esquadrão da Moda" - 9,2
10º - "Tela de Sucessos"- 9,1
11º- "Fábrica de Casamentos" - 8,9
12º- "Pra Ganhar é Só Rodar" - 8,8
13º - "Eliana" - 8,7
14º- "Jogo das Fichas" - 8,7
15° - Henry Danger - 8,2
16º - "As Aventuras de Poliana (Resumo da Semana)" - 8,0
17º - "Cine Espetacular" - 8,0
18º - "Domingo Legal" - 7,7
19º - "SBT Brasil" - 7,4
20º - "Programa da Maísa" - 7,2

E mais: ao longo do último mês, 11% dos telespectadores alcançados pelo SBT têm idade entre 4 e 11 anos; 8%; 12 e 17 anos; 9%, 18 e 24 anos; 15%, 25 e 34 anos; 22%, 35 e 49 anos, e 34% com mais de 50 anos.

*Colaborou José Carlos Nery