Topo

Coluna

Flávio Ricco


"Sofri muito preconceito", diz Cauã Reymond em série da TV Brasil

Paulo Belote/Globo
Imagem: Paulo Belote/Globo
Flávio Ricco

Jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu o "Programa Ferreira Netto" e integrou a equipe do "SBT Repórter". Escreve sobre televisão desde 2003. colunaflavioricco@uol.com.br

Colunista do UOL*

07/08/2019 00h05

A TV Brasil concluiu as gravações da segunda temporada de "Atos", série de entrevista com grandes nomes da dramaturgia que investiga o universo das artes cênicas e desvenda o ofício do ator.

Cauã Reymond foi um dos convidados e recordou seus primeiros passos na profissão, comentando inclusive os momentos mais difíceis.

"Inicialmente eu sofri muito preconceito porque eu era lutador, surfista e ex-modelo. Eu entrei na televisão super 'verde', ainda em 'Malhação', e fui crescendo a cada trabalho. Eu cresci pelo meu desejo e coragem", declarou Cauã durante as gravações.

"O ator tem que ter muita coragem de olhar para o que não está legal. Porque às vezes é muito fácil você se esconder por trás de um pensamento, ou de uma ideia... Somos vaidosos, a vaidade faz com que a gente chegue num lugar melhor. Quem tem uma grande vaidade trabalha mais e quer ser melhor. Mas a vaidade também pode cegar. Essa harmonia é o mais difícil de encontrar", prosseguiu ele.

A nova temporada de "Atos" possui oito episódios e também traz entrevistas com Marcos Frota, Luis Lobianco, Ana Beatriz Nogueira, Claudia di Moura, entre outros.

Cauã e Bruno Barros - Bruno Ribeiro/TV Brasil
Cauã e Bruno Barros
Imagem: Bruno Ribeiro/TV Brasil

Realizada em parceria com a Casa das Artes de Laranjeiras no Rio, é conduzida pelo apresentador Bruno Barros e dirigida por Manoel Borges e Waldecir de Oliveira.

O programa destaca ainda quadros em que os estudantes representam cenas famosas dos convidados, homenagens a personalidades que marcaram a trajetória desses artistas e até um momento "pegadinha", no qual o entrevistado conta uma história sobre sua carreira que pode ser verdadeira ou inventada.

*Colaborou José Carlos Nery

Flávio Ricco