Topo

Coluna

Flávio Ricco


Fora da ESPN, Canalha escreve livro e investe em canal na internet

João Carlos Albuquerque, durante entrevista à rádio Bandeirantes - Reprodução/Bandeirantes
João Carlos Albuquerque, durante entrevista à rádio Bandeirantes Imagem: Reprodução/Bandeirantes
Flávio Ricco

Jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu o "Programa Ferreira Netto" e integrou a equipe do "SBT Repórter". Escreve sobre televisão desde 2003. colunaflavioricco@uol.com.br

Colunista do UOL*

16/11/2019 00h05

Resumo da notícia

  • Canalha tem sido muito procurado para entrevistas
  • Apresentador diz que não pendurou as chuteiras
  • Fora do TV, escreve livro e vai investir em canal da internet

João Carlos Albuquerque, conhecido como Canalha, após deixar a ESPN Brasil em agosto, como parte de um processo de reestruturação da Disney que custou o emprego de vários outros profissionais, não se cansa de fazer programas de TV e de rádio, além de participar de bate-papos e eventos.

"Sem Pauta", Rádio Bandeirantes; "Mesa Redonda", na Gazeta; "Cartão Verde", Cultura; "Terceiro Tempo", Band... foram só alguns deles.

"No total foram quase 17 anos dedicados à ESPN", lembra o Canalha.

Pendurou as chuteiras?

"De forma alguma. Quero [voltar a] trabalhar. Tenho duas filhas estudantes...", avisa.

Enquanto não surge uma nova oportunidade de trabalho, o apresentador dedica-se a uma mudança de endereço, saindo do "quarteirão da ESPN" no Sumaré rumo a Pinheiros.

Assim que concluir esse processo, ele terá entre as prioridades ativar o seu canal no YouTube, o 'Canalha na Rede', "que já tem algumas coisinhas". Planeja investir forte em entrevistas, promover encontros musicais, mostrar seus livros, bugigangas...

Outro projeto, que vem tocando há anos, envolve um livro sobre o cinema italiano. Um trabalho bastante completo."Já tenho mais de 4 mil filmes no índice e mais de duas mil páginas", declara.

Sobre sua passagem pela ESPN, faz questão de afirmar que "dei sempre o meu máximo", mas trata-se do encerramento de um ciclo.

E bola pra frente!

*Colaborou José Carlos Nery

Flávio Ricco