PUBLICIDADE
Topo

Mayra Cardi desabafa sobre separação: 'Deixei de ser eu'

Blog do Leo Dias

Notícias exclusivas sobre o mundo das celebridades e os bastidores do show business no Brasil.

Colunista do UOL

07/05/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Coach fala da separação com o ator Arthur Aguiar e diz que precisa aprender a ficar na própria companhia
  • Ela conta que os dois têm visões bastante distintas sobre exposição da vida privada na internet
  • E faz planos de se mudar para os Estados Unidos... Como o ex-marido e a filha!

No último domingo, o mundo dos famosos foi surpreendido por mais um anúncio de separação. Por meio de um vídeo postado em sua rede social, Mayra Cardi, em meio a lágrimas, informou que seu casamento com o ator e cantor Arthur Aguiar, com quem estava havia quase três anos e com quem tem uma filha, Sophia, chegava ao fim. Em um bate-papo exclusivo com Leo Dias, a coach revelou que um dos principais motivos que a levaram à decisão de se separar foi ser criticada o tempo todo pelo marido.

"Deixei de ser eu. Esse para mim é o maior motivo [da separação]. E não é culpa dele, é minha, porque eu que escolhi. A gente é muito diferente em todos os sentidos. Ele odeia que falem da vida pessoal. Então, não podia me expor nem falar o que queria, porque a minha vida estava interligada à dele. Então, resumindo, fui me incubando cada vez mais. Fui abrindo mão de mim mesma."

Mayra disse também que pensou em terminar o relacionamento três vezes antes da decisão final, inclusive quando estava grávida. "Na minha gestação, avisei que não estava legal, que queria terminar porque achava que a gente podia ser mais feliz sozinho. Ali a gente tentou ser uma nova versão, e fui me perdendo cada vez mais de mim."

Veja, abaixo, trechos da entrevista.

Mayra Cardi - Reprodução - Reprodução
A coach Mayra Cardi
Imagem: Reprodução
Leo Dias - Mayra Cardi. Tudo bem? Você está onde agora? Na sua casa? No seu quarto? No quarto que era do casal?

Mayra Cardi - Que era não. Ainda é. O quarto continua aqui, está tudo igual.

Vocês estão dormindo na mesma cama Mayra?

Então, Leo, essa sou eu na vida. Quando escolho uma pessoa para estar ao meu lado, eu não simplesmente finjo que ela não existiu e descarto. Até ontem ele me via pelada e estava comigo. Aí, hoje, porque decidi que ele não vai ser mais o meu marido, falo: "Sai da cama e vai para o quarto de hóspede!". No meio de uma quarentena! Para que essa infantilidade? Somos adultos. A minha cama é gigante, ela tem dois metros e dez.

Como seu trabalho foi afetado pela pandemia e de que maneira? Positiva ou negativa?

Bom, eu já tinha a habilidade de lidar com tudo isso. Então, por incrível que pareça, por mais que isso tenha sido muito ruim para todo o mundo, não senti impacto nenhum no meu trabalho. Muito pelo contrário, porque há sete anos, quando vim com um programa de serviço 100% on-line, ninguém fazia isso. As pessoas eram muito resistentes para comprar qualquer serviço pela internet. E já enfrentei toda essa resistência, tive todo esse trabalho. Já errei tudo o que tinha que errar, já acertei tudo o que tinha que acertar. Tenho cinco empresas, Leo. Tenho o Seca Você Renove, que é a minha empresa 100% on-line, que é o meu carro-chefe. Tenho o Seca Você Personalité, que é o que a maioria dos artistas faz... Mas não todos. Larissa Manoela não fez esse, ela fez o on-line, e vários outros artistas também.

E ela perdeu quantos quilos?

Quinze, eu acho.

Estamos há já quase dois meses nisso. A sua empresa cresceu quantos por cento?

Não consegui quantificar, mas cresceu muito. Tanto que criei outra, e essa outra já explodiu de vender. Tenho um amor muito grande pelo que faço. Quando veio a epidemia, comecei a receber mensagens das pessoas: "Socorro! Estou comendo compulsivamente. Me ajuda! Estou engordando! Não sei mais o que fazer!". Não tive dúvida: criei um programa 100% de graça, que chama Seca Você com Você, e disponibilizei para todos, com treino de graça, com cardápio de graça, com todas as vídeoaulas de graça. E todo o mundo ficou apaixonado.

Você me fez lembrar de casos em que a internet parava por causa de uma postagem sua, e aí você virava o centro de uma série de ataques, né? Você mudou a sua atitude na internet? E esse comportamento de não ser suscetível aos ataques foi criado depois de você sofrer muito?

Já sofri muito. Eu tive uma coisa específica, uma coisa muito séria, que foi uma vez em que inclusive eu desejei que a minha vida fosse tirada e que eu desaparecesse do Universo. Quando aconteceu isso, liguei para um amigo e ele me deu um conselho bizarro, porque ela é uma pessoa muito experiente, muito famosa.

Que já foi vítima de ataques também?

É o Ronaldo, meu amigo há muitos anos.

O jogador Ronaldo Fenômeno?

É, e ele me deu um conselho foda e, daí em diante, virei a minha chave. O que ele me falou foi: 'Amiga, quando está chovendo pica, escolhe a menor e senta!'. Porque, quando estão te atirando pedra, não adianta você fugir. Escolhe ali o meio que você vai resolver e acabou. Não é? Não é maravilhoso? Não é brilhante?

Você escolheu a internet para anunciar o fim do seu casamento e deve ter visto, obviamente, o mundo opinar. O que você ouviu Mayra?

Domingo eu estava cheia de coisa para fazer. Acordei, postei, obviamente já tinha conversado com o Arthur, já tinha conversado com a mãe dele e com a minha avó, que tem oitenta e poucos anos. Porque, no último casamento, não avisei a ela que ia separar e ela quase infartou. Ninguém ganha ao se separar, só tem perdedor. Os dois estão fodidos, os dois estão sofrendo, ninguém tem razão. Imagina você ter que ligar para cada parente e contar a mesma história? Faz um vídeo, solta lá e já avisa: "Não me liguem, não vou atender!". Foi o que fiz. Sem sacanagem, nunca recebi tanta mensagem. O povo gosta de desgraça, o meu celular está bombando. E não tenho que dizer nada para ninguém.

Mas obviamente, graças a Deus, as mensagens de Leo Dias você respondeu. Você falou uma frase que queria repetir aqui: "A sociedade não está preparada para a verdade!".

Nunca vai estar!

Sobre o fim do seu casamento, o que você tem a dizer que a sociedade não está preparada para a verdade?

Quando as pessoas veem o final de um casamento, elas procuram culpados, elas não têm empatia com a sua dor, não têm empatia pelo o que você está passando. Qual foi o meu pensamento? Simples. Tenho uma filha e, para sempre, tudo o que estiver lá escrito na internet ela vai ler. E não tem necessidade nenhuma de ela ler que no final de um relacionamento de amor, no meio do qual ela foi gerada, existiu qualquer certo ou errado, ou ataque de qualquer uma das partes. Óbvio que tem várias coisas de que as pessoas não sabem. É a vida de um casal. Tem os machucados, tem as feridas. Mas só eu sei as qualidades que o meu marido tem e os defeitos. Só eu sei o dia-a-dia.

O que é um motivo razoável para se terminar um casamento? Porque, na minha opinião, traição não é.

Na minha também, você está coberto de razão. Principalmente em um casamento com outros valores envolvidos. Mas depende da traição. Porque tem aquela traição física e tem aquela traição emocional, de caráter, de não respeitar e falar mal. Então existem vários tipos de traição.

Qual foi o saldo destes três anos juntos?

Descobri tanta coisa sobre mim mesma! Primeiro que inicialmente a gente tem a personalidade lá no fundo bem parecida, de ser firme, de querer tudo do mesmo jeito, isso me atraiu. Primeiro, vou falar uma coisa aqui que é engraçada. O meu ex-marido falava para mim: "Mayra, eu não quero ter razão, eu quero ser feliz!". E essa frase nunca impactou o meu coração. Quando conheci o Arthur, entendi o que era isso, por conta da personalidade dele. Sabe quando a pessoa quer ter razão e aí a discussão fica sem fim? Eu era uma pessoa que não conseguia abrir mão do que eu desejava, do que eu queria, dos meus valores. Só que casamento é abrir mão em muitos momentos, para dar um pouco para o outro. É dividir, não é opcional. Então, com ele aprendi a abrir mão, só que fui demais.

Jura? Porque quando você fala "abrir mão", parece que a pessoa vive a vida do outro. Eu nunca te vi vivendo a vida de ninguém.

Não é nesse sentido. Eu deixei de ser eu. Esse para mim é o maior motivo. E não é culpa dele, é minha, porque eu que escolhi. A gente é muito diferente em todos os sentidos. Sou uma pessoa que fala alto, ele fala baixinho, em uma educação sem tamanho. Eu, se pudesse, botava uma câmera ali no meu banheiro de manhã, de tarde e de noite. Não ligo, falo tudo.

Você veio do "Big Brother", amor!

Exato, não tem como, não ligo! Me desapeguei há muito tempo.

Mayra Cardi e Arthur Aguiar - Reprodução - Reprodução
Mayra e o ator Arthur Aguiar
Imagem: Reprodução

Então, você era muito criticada pela sua grande exposição?

Em vários momentos, para não dizer todos [risos]. Tudo o que eu fazia era contra o que ele faria. Só que fui abrindo mão do que gostava, fui ficando mais fechadinha, fui falando menos, fui abaixando o tom da minha voz. Por exemplo, uma das polêmicas que saíram a meu respeito foi que eu não mostrava a Sophia. Não era eu que não queria mostrar a Sophia, era o Arthur! Por mim eu mostraria, só que eu respeitava.

E por que ele não queria que a Sophia aparecesse?

Ele odeia que falem da vida pessoal. Por um acaso ele é famoso, porque gosta de atuar. Ele não gosta de falar da vida íntima dele, ele odeia, não queria. Então, não podia me expor nem falar o que queria, porque a minha vida estava interligada à dele. Resumindo, fui me incubando cada vez mais. Fui abrindo mão de mim mesma. Ele falava assim: "Olha, não gostaria". E eu pensava: "Pô, é meu marido, não vou fazer isso com ele".

Quero saber alguns detalhes, tipo: quando você terminou? O Arthur falou uma coisa muito sensata, que você deu vários sinais, mas ele não soube entender.

Dei sinal não, joguei meteoro de fogo, fui muito objetiva. Eu sou clara, não dou sinal, eu sou foguete. Quando estava grávida da Sophia senti pela primeira vez vontade de me separar. Foi muito triste, porque estava enlouquecida, apaixonada, cheia de hormônio.

E você falou isso para ele, verbalizou?

Falei, três vezes eu verbalizei, em três momentos diferentes. Fui muito clara, escrevi uma carta, mensagem, SMS, fiz tudo. Só que sempre existiu muito amor e muita paixão, e a gente lutou junto. Na minha gestação eu tentei, avisei que não estava legal, que queria terminar porque achava que a gente podia ser mais feliz sozinho, e ali a gente tentou ser uma nova versão. Fui me perdendo cada vez mais de mim. Quando a minha filha tinha uns 4 para 5 meses eu também passei por um momento bem difícil. No começo do ano gravei um vídeo chorando, que você deve lembrar, falando sobre a minha dificuldade da maternidade, de achar o meu eu, aquele vídeo foi a terceira vez. Foi libertador para mim porque eu, comigo, me desprendi de tudo o que ele achava para fazer o que eu queria. Liguei o foda-se —para mim, não para ele. "Mayra você precisa se ouvir." Comecei a fazer o que achava que tinha que fazer, porque, aí sim, não me perco de novo.

Mas aí a relação pode ir para o beleléu né?

Claro. Mas durante estes três anos, não fiz várias coisas porque tinha medo de perdê-lo. E, no final, quem perdeu fui eu, eu me perdi. Esse meu medo gigantesco de perder essa pessoa maravilhosa, que amo tanto... Beleza, não a perdi, mas me perdi. Sou a atriz principal da minha vida, me olhei e falei "Cadê eu?". Preciso do meu tempo para poder ser eu mesma, para falar alto, para falar de piroca, para falar do que quiser, foda-se. Para ser julgada, tanto faz, quero ser eu mesma, quero ser feliz, não vim ao mundo para agradar. Não vou ferir ninguém, porque isso para mim importa, mas quero ser feliz. Tenho certeza de quem eu sou.

Você se arrepende de ter feito aquele casamento surpresa?

De jeito nenhum, faria mais dez.

Você quer casar de novo?

Não, não. Amo casar, mas preciso aprender a viver com a minha companhia. Tenho 36 anos e não sei viver na minha companhia.

Mas você vai ser uma pessoa sozinha a partir de agora?

Eu gosto do novo, sempre busco a minha melhor versão, quando termino, acabou. Mas também não tenho problema de mudar de opinião. Vou muito sentindo o meu coração e o que ele está pedindo. Estou aqui falando com você, com essa alegria toda e tal, porque sou assim na minha vida. Não gosto de me vitimizar, não gosto de ficar me fazendo de coitadinha, não gosto de chorar e tenho dificuldade de mostrar as minhas dores. Já sofri abuso sexual, já fui sequestrada, já apanhei, já passei por muita coisa que demorou para as pessoas saberem. Ficar falando sobre sofrimento traz mais sofrimento. Já estou separada do pai da minha filha... Porra, criar um filho sozinho é difícil, só eu sei o quanto passei, o quanto de ônibus peguei, o quanto de quentinha eu comi para criar o meu filho sozinha. E agora passar por tudo isso de novo, criar sozinha de novo, ficar longe do pai... Claro que me dói.

Você pensou nisso antes de tomar a decisão da separação?

Para caralho, por isso fiquei mais tempo do que ficaria se não tivesse ela.

Você deu um prazo para ele sair de casa?

Não. Falei que ele pode ficar quanto tempo quiser. Vou mudar, eu provavelmente... Já ia sair e tal, mas com a pandemia eu acabei demorando. Eu não sou do Rio, né? Eu já ia mudar de qualquer forma. Sofri tentativa de sequestro duas vezes. Eu não saio com a Sophia, não tenho uma vida com ela.

Você vai para onde?

Então, a gente ia primeiro para Balneário, que é uma cidade maravilhosa, para depois ir para os Estados Unidos. O nosso documento está saindo ainda, eu já tenho, mas ele ainda não. Agora, provavelmente, vou para São Paulo, que é onde a minha avó mora. E depois vou para os Estados Unidos. Obviamente que ele vai junto, tanto para um lugar quanto para o outro

Ele quem?

O Arthur, lógico. Cada um vivendo a sua vida, mas na mesma cidade. A gente tem uma filha, não tem como ser diferente, Leo.