Topo

Coluna

Mauricio Stycer


Bolsonaro diz que sabia com antecedência de reportagem do JN sobre porteiro

Presidente Jair Bolsonaro ataca Grupo Globo durante live nas suas redes sociais - Reprodução
Presidente Jair Bolsonaro ataca Grupo Globo durante live nas suas redes sociais Imagem: Reprodução
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

11/11/2019 19h05

As circunstâncias que levaram o "Jornal Nacional" a exibir, em 29 de outubro, uma reportagem que associou o nome do presidente Jair Bolsonaro às investigações do assassinato de Marielle Franco, em março de 2018, ainda não foram totalmente esclarecidas.

A reportagem do "JN" informou que um porteiro do condomínio onde morava Bolsonaro à época disse em depoimento que alguém com a voz "do seu Jair" autorizou a entrada de um dos suspeitos da morte da vereadora no dia do crime. O telejornal também mostrou uma anotação da portaria indicando o número da casa do presidente como o destino do suspeito.

O JN deixou bem claro que naquela data Bolsonaro estava em Brasília. Ouvido, o advogado do presidente contestou o depoimento do porteiro, dizendo que se tratava de "uma farsa, uma fraude, para atacar a imagem" de Bolsonaro.

Em Riad, na Arábia Saudita, onde estava, Bolsonaro entrou ao vivo no Facebook imediatamente depois. Era madrugada lá (cerca de 22h no Brasil). Muito exaltado, usou palavras pesadas para se referir à reportagem: "Patifaria", "não tem vergonha na cara", "porra", "patifes", "canalhas", "imprensa porca", "jornalismo podre", "nojenta", "imoral". E ameaçou não renovar a concessão da Globo, em 2022. "O processo tem que estar enxuto, tem que estar legal. Não vai ter jeitinho pra vocês, nem pra ninguém".

Uma semana depois, no dia 4, em nota interna aos funcionários da Globo, o diretor de jornalismo, Ali Kamel, elogiou os procedimentos adotados na reportagem, mas deu a entender que a emissora pode ter sido objeto de uma cilada, uma armadilha.

Segundo Kamel, o advogado de Bolsonaro, ao ser ouvido, omitiu da reportagem uma informação importante: "Hoje sabemos que o advogado do presidente, no momento em que nos concedeu entrevista, sabia da existência do áudio que mostrava que o telefonema fora dado, não à casa do presidente, mas à casa 65, de Ronnie Lessa".

O executivo da Globo também disse que, durante a apuração da reportagem, "uma fonte absolutamente próxima da família do presidente Jair Bolsonaro procurou nossa emissora em Brasília para dizer que ia estourar uma grande bomba, pois a investigação do Caso Marielle esbarrara num personagem com foro privilegiado".

Por fim, Kamel escreveu: "Eu estranhei: por que uma fonte tão próxima ao presidente nos contava algo que era prejudicial ao presidente? Dias depois, a mesma fonte perguntava: a matéria não vai sair?"

Nesta segunda, dia 11, coube ao presidente Bolsonaro acrescentar novas informações sobre este assunto. Em entrevista ao site O Antagonista, ele disse: "Agora por que a Globo divulgou? Eu vou deixar claro para você. Quando meu avião decolou para o Japão, passadas algumas horas, eu juntei lá tinham cinco parlamentares, mais ministros, juntei o pessoal e falei ó: 'Durante a minha viagem, vai acontecer isso. A TV Globo vai falar em primeira mão esse caso da Marielle'. Expliquei tudo para não se apavorarem que estava tudo resolvido da minha parte, mas a Globo ia botar no ar e a Globo botou."

O jornalista Claudio Dantas questionou o presidente: "O sr. ciente de que essa história viria à tona, por que não a divulgou antes, não se antecipou?" E Bolsonaro respondeu: "Não posso fazer isso, negativo. Até porque eu seria acusado de quê? De ter tido acesso ao processo, de antecipadamente falar que foi algo combinado para chegar na TV Globo. Não podia fazer isso."

Siga a coluna no Facebook e no Twitter.

Mauricio Stycer