Topo

Coluna

Mauricio Stycer


Horas após ser ridicularizado no "Primeiro Impacto", homem é achado morto

Marcão do Povo e Felipe Macedo comentam caso ocorrido em Londrina  - Reprodução / TV
Marcão do Povo e Felipe Macedo comentam caso ocorrido em Londrina Imagem: Reprodução / TV
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

14/11/2019 16h18

O telejornal "Primeiro Impacto", do SBT, exibiu na manhã de terça-feira (12) uma reportagem sobre um homem que se pendurou num fio, em Londrina, dizendo que queria morrer. O apresentador Marcão do Povo disse que o gesto extremo ocorreu após a descoberta de uma traição conjugal.

Exibindo imagens do homem pendurado, Marcão colocou uma música que faz piada com a situação: "Desça dai seu corno, desça dai / Desça dai chifrudo o que é que há? / Você ganhou foi gaia não foi asas pra voar". Na sequência, o apresentador disse: "Você ganhou um par de chifres, não foi asas para voar. Você não é o único corno do Brasil, fique tranquilo." E acrescentou: "Chifre é que nem consórcio: a qualquer momento você é contemplado".

De Londrina, o repórter Felipe Macedo também fez piada: "Se todo corno fosse subir em fio depois de levar chifre, ia faltar fiação elétrica no Brasil todo". E prosseguiu rindo: "É o corno elétrico. Os amigos avisam: a tua mulher está te chifrando. E ele diz: tô ligado".

Imagem exibida no Primeiro Impacto, no SBT, na manhã de terça-feira (12) - Reprodução/TV
Imagem exibida no Primeiro Impacto, no SBT, na manhã de terça-feira (12)
Imagem: Reprodução/TV

Segundo o repórter, o homem pretendia se suicidar: "Pra descontar a revolta, ele assumiu o corno elétrico mesmo. Se grudou no fio em frente ao terminal central de Londrina e começou a gritar essas coisas que vocês já ouviram. Só que o corno errou o fio. Ele foi no fio de telefone. Não deu choque nenhum. Ele escorregou, se estalelou. Não quebrou nada, nem o chifre. E teve que voltar pra casa. Dizem as más línguas que perdoou a esposa".

As imagens do vídeo mostram que, alguns segundos após despencar, o homem se levanta e sai andando. Ele foi atendido pelo Corpo de Bombeiros e liberado. Não houve registro policial desta ocorrência.

Estas imagens teriam sido captadas na noite de segunda-feira (11). O fato é que foram exibidas na manhã seguinte por um jornal local da Rede Massa (SBT) no Paraná e por volta das 9h da manhã em rede nacional, no "Primeiro Impacto".

Segundo o site 24h, o homem foi encontrado morto em sua casa, no final da manhã de terça. Um boletim de ocorrência registra que a causa da morte foi suicídio, mas não determina o horário em que ocorreu. Da mesma forma, não há informações precisas sobre o que aconteceu entre a tentativa frustrada de suicídio na noite de segunda-feira e a morte. Um inquérito policial foi instaurado para investigar o caso.

Ainda muito abalada com a morte e sob efeito de medicamentos, a viúva, Simone do Nascimento Soares, quer que o SBT se desculpe publicamente no mesmo espaço onde o marido foi ridicularizado ao vivo. Ela não fala em processar a emissora, mas diz que não desistiu da própria vida por causa do filho do casal, de dois anos.

"Eu só quero que quem prejudicou meu marido que se retrate ou fale em rede nacional. Ninguém sabia o que meu marido estava passando. Ele não conseguia trabalhar, o INSS cortou o benefício. Acabou com a vida dele, acabou com tudo. Se eu não tivesse um menininho, teria cometido uma loucura", diz Simone ao UOL.

A mulher da vítima conta que o marido tinha depressão e caiu em mentiras: "A gente tinha dado um tempo, mas naquele dia ele estava dopado de remédios e ainda bebeu. E as pessoas diziam coisas sem sentido. Ele imaginava uma coisa, na cabeça dele era aquilo mesmo".

Procurado pelo blog, o SBT disse que não iria se pronunciar. Marcão do Povo, que se recupera de uma cirurgia no joelho, também não quis falar, mas indicou o seu advogado. "Não houve qualquer incitação ao suicídio na matéria", disse Rannieri Cavalcanti Lopes. "Foi uma brincadeira normal que o Marcos faz sempre no programa".

Colaborou Paulo Pacheco, do UOL.

Mauricio Stycer