PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauricio Stycer


Indicações ao Globo de Ouro confirmam reinado das plataformas de streaming

Olivia Colman vive a rainha Elizabeth na terceira temporada de "The Crown" - Divulgação: Netflix
Olivia Colman vive a rainha Elizabeth na terceira temporada de "The Crown" Imagem: Divulgação: Netflix
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

15/12/2019 05h01

O anúncio dos indicados ao prêmio Globo de Ouro deixa claro, mais uma vez, que a indústria do audiovisual nos Estados Unidos está sendo atropelada por um caminhão de mudanças.

Das dez séries indicadas aos dois prêmios principais (drama e comédia), seis são produções exibidas por serviços de streaming. A saber: três da Netflix ("The Crown", "O Método Kominsky" e "The Politician"), duas da Amazon ("Fleabag" e "Maravilhosa Sra. Maisel") e uma da Apple TV ("The Morning Show").

A HBO, um canal pago premium, emplacou outras três ("Big Little Lies", "Sucession" e "Barry") e a BBC conseguiu uma ("Killing Eve"). Nenhuma dessas séries foi produzida por uma grande rede de TV (ABC, NBC, CBS e Fox) nem por canais a cabo tradicionais. Não deixa de ser irônico, ainda assim, que a exibição da entrega do prêmio, marcada para 5 de janeiro, continue a cargo de uma grande rede, no caso a NBC.

A lista de esnobados do ano é encabeçada por "Game of Thrones", seguida por "Euphoria", "Olhos que Condenam" e "Pose".

O impacto da Netflix no mercado se estende, agora, ao cinema também. A empresa emplacou três filmes entre os cinco indicados na categoria drama, "Dois Papas", do brasileiro Fernando Meirelles, "The Irishman", de Martin Scorsese, e "História de um Casamento", de Noah Baumbach, e um entre os cinco de comédia, "Meu Nome É Dolimite", de Craig Brewer.

No total, o principal serviço de streaming obteve 17 indicações, contra 15 da HBO. Veja aqui uma lista completa, repleta de trailers.

A destacar, ainda, que o recém-lançado serviço da Apple conseguiu no seu primeiro mês de existência três indicações com "The Morning Show" - além de melhor drama de TV, dois nomes na categoria atriz (Jennifer Aniston e Reese Witherspoon).

Não que o Globo de Ouro seja um prêmio dos mais respeitados, como lembra o colunista Roberto Sadovski. A premiação é decidida por menos de 100 jurados, correspondentes estrangeiros em Los Angeles, e costuma incluir escolhas bem questionáveis.

Ainda assim, a lista final me parece significativa dos humores não apenas dos críticos, mas do público e do mercado.

Stycer recomenda
. O que deu errado com "A Fazenda 11"? O podcast UOL Vê TV explica

. Especial da Record com Pérola Faria e Eri Johnson fará sátira às novelas
. Frustrado após papeis ruins em 3 novelas, Gagliasso troca Globo por Netflix
. Horário de igrejas é igual a publicidade e três canais burlam lei, diz MPF

Melhor da semana
"Filhos da Pátria" termina dizendo que o Brasil está condenado à esperança

Pior da semana
Cantora vê racismo em Silvio Santos e reclama: "Não era concurso de beleza"

Uma versão deste texto foi publicada originalmente na newsletter UOL Vê TV, que é enviada às quintas-feiras por e-mail. Para receber, gratuitamente, é só se cadastrar aqui.

Siga a coluna no Facebook e no Twitter.

Mauricio Stycer