PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauricio Stycer


Crítica de Gloria Perez a série sobre caso Bruno expõe bastidores da Globo

Glória Perez criticou publicamente a ideia de série da Globo sobre o goleiro Bruno  - João Cotta TV Globo
Glória Perez criticou publicamente a ideia de série da Globo sobre o goleiro Bruno Imagem: João Cotta TV Globo
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

10/01/2020 10h25

O interesse da diretora Amora Mautner em transformar o assassinato de Eliza Samudio em uma série de televisão é conhecido desde 15 de novembro do ano passado. Naquela data, o repórter João Batista Jr, da revista Veja, noticiou que a Globo havia comprado os direitos do livro-reportagem "'Indefensável — O goleiro Bruno e a história da morte de Eliza Samudio" (Record), dos jornalistas Leslie Leitão, Paula Sarapu e Paulo Carvalho.

Ainda um projeto embrionário (sequer uma linha de roteiro foi escrita), a ideia de uma série de TV sobre o caso do goleiro Bruno e o assassinato de Eliza Samudio voltou ao noticiário por causa de um comentário da novelista Gloria Perez no Twitter.

Ao ler na última quarta-feira (08) a reprodução da notícia publicada pela Veja, Gloria escreveu: "Oi?????!!! Só pode ser piada! E de mau gosto!" O repórter de Veja, então, voltou ao assunto e ironizou: "Gloria está desinformada sobre o movimento do canal".

Entre março de 2018 e julho de 2019, Gloria Perez ocupou a função de coordenadora do núcleo de criação de séries da Globo, subordinada a Silvio de Abreu. A compra dos direitos do livro "'Indefensável" ocorreu depois da sua saída do cargo. Ainda assim, como a notícia original, da Veja, é de novembro de 2019, é surpreendente, de fato, que só agora Gloria tenha se manifestado a respeito.

Por coincidência, no dia seguinte (09) ao comentário de Gloria Perez no Twitter, o colunista Flavio Ricco, do UOL, informou que Silvio de Abreu planeja lançar um novo autor na faixa das 21h. "Nem Walcyr Carrasco ou Glória Perez. A Globo optou por continuar buscando entre os autores da casa, principais ou colaboradores, os que têm perfil adequado para desenvolverem novelas às 21h", escreveu Ricco.

"Manuela Dias, hoje em cartaz, será substituída por Lícia Manzo e depois virá João Emanuel Carneiro. Depois deles, a ideia é lançar um autor novo, que ainda está sendo preparado e cujo nome, por questões óbvias, só será revelado no momento oportuno", acrescentou o colunista.

Como informou também na quinta-feira o colunista Leo Dias, do UOL, a diretora Amora Mautner envolveu no projeto sobre o goleiro Bruno o roteirista Lucas Paraizo, hoje responsável pela série "Sob Pressão". Em 2018, Amora dirigiu "Assédio", sobre a trajetória criminosa do ex-médico Roger Abdelmassih.

Como nada foi escrito ainda, é natural que o projeto sobre o caso Bruno não tenha sido aprovado, como informou a assessoria da Globo. "Compramos o direito, não só deste livro, mas de vários outros e de vários outros casos, pois existe o desejo de fazermos uma série sobre crimes. Não há, no entanto, nada desenvolvido, escrito, nem aprovado sobre nenhum dos casos possíveis", disse a emissora, em nota.

Procurei Gloria Perez para saber por que ela é contra uma série sobre este assunto, mas não consegui falar com ela. O livro que inspirou o projeto mostra que, diferentemente do que tentou demonstrar, Bruno foi protagonista do início ao fim do enredo macabro que resultou na morte de Eliza. Os autores ouviram mais de uma centena de pessoas e reconstituem diferentes momentos da trajetória do goleiro sem condescendência.

Mauricio Stycer