PUBLICIDADE
Topo

Só os fã-clubes sabem o que Guilherme fez para merecer 233 milhões de votos

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

04/03/2020 01h08

Foram 416.649.126 votos, a maior votação na história do Big Brother Brasil. "Muito obrigado a todos vocês que votaram loucamente", agradeceu o apresentador Tiago Leifert. Mas quantas pessoas realmente votaram? Eis um dos grandes mistérios, quase tão grande quanto as razões que levaram à eliminação de Guilherme com 56% dos votos.

O modelo de Presidente Prudente, radicado em São Paulo, de 28 anos, era um quase desconhecido há 40 dias. O que ele fez de tão errado para merecer mais de 233 milhões de votos nesta terça-feira (03)? Não consigo imaginar.

Leifert apresentou algumas hipóteses, mas nenhuma justifica este volume tão alto de votos. O apresentador especulou que foi uma disputa entre dois tipos de "pecadores". E perguntou: "O que é pior, um erro grave, que você tenta se redimir, ou vários erros menores, porém constantes?"

Creio que, ao falar de erro grave, estava se referindo a Pyong, que foi advertido pela direção do programa por "comportamento inconveniente" com algumas meninas da casa. Já Guilherme teria sido aquele que cometeu vários erros menores, porém constantes, seja na sua postura com o grupo machista no início do programa, seja com a namorada Gabi.

Dirigindo-se ao modelo, Leifert falou: "Gui, como a sua relação com a Gabi está sendo avaliada aqui fora? As pessoas acham fofo ou estão preocupadas? Será que as pessoas acham que tem muito carinho ou pouco carinho? Como será que as pessoas estão vendo vocês?"

Sem citar o nome de Pyong, o apresentador perguntou: "Reconhecer um erro e pedir desculpa hoje em dia é suficiente? Ou não é suficiente? Tem gente que acha que é, tem gente que acha que não é."

A disputa entre Carolina, Elana e Paula, no BBB 19, era até então a recordista em número de votos no programa: 202 milhões. O que explica este salto para 416 milhões no paredão entre Guilherme e Pyong? O que tinha de tão diferente nesta disputa?

O engajamento nas redes sociais e a audiência na televisão está melhor este ano do que em 2019. Isso é fato. Os participantes são mais interessantes. Verdade. Mas a maior diferença é a presença de figuras com grande presença na internet, como Bianca Andrade (eliminada semana passada), Pyong, Rafa Kalimann, Mari Gonzalez e Manu Gavassi.

É evidente que fã-clubes acionaram máquinas de votar para chegar a estes números. Mas por que tantos? Minha hipótese é que o paredão foi sobre Pyong, sobre ele ficar ou sair do BBB. Só os fã-clubes sabem o que Guilherme fez para merecer 233 milhões de votos.

Muito popular no You Tube, o mágico atraiu fãs em grande número para lutar pela sua permanência no programa, assim como muitos "haters", que votaram pela sua eliminação.

Guilherme também teve fãs e haters, claro, mas acho difícil que fosse capaz de mobilizar estes números enormes de voto para permanecer na casa. Na minha opinião, foi eliminado principalmente pelos fãs de Pyong.

Os recordistas de votos são:

BBB 20: Gizelly x Guilherme x Pyong: 416 milhões
BBB 19: Carolina x Elana x Paula - 202 milhões
BBB 10: Marcelo Dourado x Fernanda x Cadu - 154,8 milhões
BBB 19: Carolina x Darnley x Paula - 150 milhões
BBB 17: Emilly x Ieda x Vivian - 142 milhões
BBB 10: Marcelo Dourado x Dicésar - 125,4 milhões
BBB 17: Ilmar x Marcos - 112,8 milhões

O lado B do BBB

Mauricio Stycer