PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauricio Stycer


Globo responde à provocação de Bolsonaro e exibe 5 minutos de panelaço

William Bonner e Renata Vasconcellos falam no JN dos panelaços contra o presidente Jair Bolsonaro  - Reprodução
William Bonner e Renata Vasconcellos falam no JN dos panelaços contra o presidente Jair Bolsonaro Imagem: Reprodução
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

19/03/2020 00h07

Na longa entrevista que concedeu junto com oito ministros e o presidente da Anvisa, na tarde desta quarta-feira (18), o presidente Jair Bolsonaro mencionou duas vezes os protestos que estavam programados para a noite. Nas duas ocasiões, provocou a Globo.

Disse ele: "Eu espero, como o Jornal Nacional vai fazer a cobertura do panelaço às 20h30, que o Jornal Nacional anuncie que, às 21h, terá um panelaço a favor de Jair Bolsonaro também, talkey? Estou aguardando ansiosamente. Hoje vou assistir a TV Globo, coisa que eu não faço há muito tempo".

O JN respondeu à provocação com uma edição caprichada. Os protestos mereceram quatro reportagens, num total de 4 minutos e 40 segundos. A primeira, mais longa, exibiu por 2 minutos e meio, sem interrupção, vídeos caseiros de panelaços em diferentes cidades do país contra Bolsonaro.

Antes de exibir a segunda reportagem, o apresentador William Bonner disse: "Também agora há pouco, mas em número bem menor, houve manifestações a favor de Bolsonaro". E lembrou: "Durante a coletiva, no Palácio do Planalto, ele mesmo mencionou por duas vezes o horário para o qual elas estavam sendo convocadas: 9 da noite". Durou apenas 30 segundos a exibição de vídeos em defesa do presidente.

Em seguida, o JN mostrou mais 30 segundos de vídeos de panelaços contra o presidente ocorridos enquanto Bolsonaro participava da coletiva, à tarde. E, por fim, o telejornal lembrou, em reportagem de mais de um minuto, que na terça-feira à noite já havia ocorrido panelaços contra o presidente em diferentes cidades.

Outra grande reportagem foi anunciada de forma bem irônica por Bonner: "Durante a entrevista coletiva, o presidente e os ministros deram uma aula aos brasileiros de como não usar uma máscara". Seguiram-se cinco minutos de registros dos erros cometidos por Bolsonaro e seus auxiliares e lições sobre como usar corretamente uma máscara de proteção (veja vídeo abaixo).

Por fim, vale mencionar um incidente que ocorreu durante uma reportagem de Giovanna Telles - uma música tocada em eventos do PT foi captada pelo microfone, enquanto a jornalista falava. Minutos depois, Bonner pediu desculpas ao público e disse:

"Um esclarecimento. Agora há pouco, durante a entrada ao vivo da repórter Giovana Teles, de Brasília, sobre a reunião entre os chefes de poderes no Palácio do Planalto, um manifestante tocou uma música que normalmente é usada em comícios do PT. O som foi captado involuntariamente pelo microfone da repórter enquanto ela relatava a reunião de Bolsonaro com Toffoli. Nós pedimos desculpas aos telespectadores".

Mauricio Stycer