PUBLICIDADE
Topo

No jogo da discórdia, Babu mais uma vez deixa o tema da discriminação no ar

Babu no jogo da discórdia realizado nesta segunda-feira (06) no "BBB 20" - Reprodução/TV Globo
Babu no jogo da discórdia realizado nesta segunda-feira (06) no "BBB 20" Imagem: Reprodução/TV Globo
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

07/04/2020 01h52

Por sua origem e formação, Babu Santana certamente já enfrentou muito preconceito e discriminação tanto nas suas relações pessoais quanto profissionais. Ele já falou abertamente sobre isso em algumas ocasiões, como numa entrevista a Lazaro Ramos, que mencionei aqui, mas tem evitado uma abordagem mais direta dentro do "BBB 20".

No reality da Globo, Babu tem falado sobre racismo em termos históricos. Já deu algumas aulas sobre o assunto para a maioria branca da casa. Chegou a ser aplaudido após explicar o contexto da escravidão e o sentido negativo da palavra "negro".

Há alguns dias, o ator está usando espetado no cabelo um pente que representa a cultura "black power". Este mesmo pente garfo foi objeto de piadas e risadas de Ivy, Pyong e Gizelly há três semanas.

Nesta segunda-feira (6), no jogo da discórdia, os participantes deveriam se lembrar de um momento que não gostaram no reality. Babu disse que não gostou de uma atitude de Marcela.

"Não gostei quando Marcela foi comunicar ao Prior que ia tirar a gente da xepa e levar a gente para o vip, de maneira que estava todo mundo pensando nisso. Eles desenrolaram toda uma ideia falando sobre mim e sobre Prior. Eu estava ouvindo e estava perto. Ele não concordou, ela levantou, passou por mim, nem me cumprimentou, e não falou nada sobre".

Babu não gostou que Marcela o ignorou e foi tratar do assunto com Prior, embora dissesse respeito aos dois. A médica se justificou dizendo: "Eu fui falar com ele porque ele contou que a atitude do Pyong tinha sido falsa. Eu fui questionar para ele se ia soar falso para ele".

Não é a primeira vez que Babu reclama da postura de Marcela com ele. Numa conversa com Thelma, em fevereiro, ele disse: "Falei pro Prior. A Marcela me olha do mesmo jeito que a minha patroa me olhava. Tenho um trauma desse olhar. Aí eu evito também. Não dei bom dia duas vezes. Uma que ela foi dormir lá com o namoradinho dela e ficou se queixando de mim. Eu fui dormir com os homens."

Babu também já se queixou mais de uma vez do fato de Ivy o ter chamado de "monstro". No jogo da discórdia, o ator observou que a participante já votou nele sete vezes - em dez paredões. Também lembrou que já foi a seis paredões. "Nunca fiz nada para a criatura (Ivy)", disse.

Em março escrevi que, como já ocorreu em várias outras edições, o racismo é um dos temas do "BBB 20", apesar de ninguém falar abertamente sobre isso dentro da casa. Babu e a médica Thelma, únicos negros entre os 20 participantes selecionados, já fizeram alusões ao assunto, mas evitaram, até agora, menções explícitas.

Numa conversa com as mesmas Marcela e Ivy, Thelma tentou entender o que elas sentem em relação ao ator. E a palavra que a médica e a modelo mais usaram foi "medo". Thelma então perguntou: "Vocês têm medo do quê? Que ele vai bater em vocês?" Marcela respondeu: "Ele vai gritar". Ao que Thelma ensinou: "Aí você grita também".

Em conversa com Thelma e Prior, Babu disse não entender por que Daniel, apesar dos muitos erros que já havia cometido, não sofria a mesma rejeição que ele. "Essa postura burguesa de eleger um monstro. Muito mais fácil eu ser o monstro. Negão, cara de mau... Muito mais fácil eu ser o monstro e ele ser o príncipe da loirinha de olho azul. Fico p... com isso. Porque eu acho que eu sei o que é isso."

Tenho a impressão que Babu e Thelma não querem falar abertamente de discriminação ou racismo. E não tenho o direito de questioná-los sobre isso. Posso apenas imaginar que deve ser muito difícil e doloroso mesmo abordar este tema num programa de televisão.

O lado B do BBB

Mauricio Stycer