PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro fala em "convidar" Roberto Marinho para o STF: "julga e condena"

O presidente Jair Bolsonaro fala com apoiadores e jornalistas do lado de fora do Palácio do Planalto - Estadão Conteúdo
O presidente Jair Bolsonaro fala com apoiadores e jornalistas do lado de fora do Palácio do Planalto Imagem: Estadão Conteúdo
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

05/05/2020 19h17

Em mais um ataque à Globo, o presidente Jair Bolsonaro tratou o empresário Roberto Marinho (1904-2003) como se estivesse vivo e disse que o convidaria para o Supremo Tribunal Federal.

"Acho que a próxima vaga no Supremo vou dar pro Roberto Marinho. Convidar o Roberto Marinho para ser ministro do Supremo Tribunal Federal. Porque ele julga e condena em frações de segundo".

A ironia foi feita no final da tarde desta terça-feira (05), em conversa com apoiadores, diante dos jornalistas que fazem plantão na entrada do Palácio do Alvorada. A fala do presidente foi transmitida ao vivo pelo "Brasil Urgente, na Band.

Bolsonaro estava, como de hábito, criticando a cobertura da emissora no caso em que o seu nome foi citado na investigação da morte da vereadora Marielle Franco.

Procurada, a Globo disse que não iria comentar.

Pela manhã, o presidente mandou jornalistas "calarem a boca" ao comentar uma reportagem da "Folha". "Cala a boca, não perguntei nada. Cala a boca, cala a boca. Não tenho nada contra o superintendente do Rio e não interfiro na PF", disse (veja abaixo).

A coluna "Painel", da jornalista Camila Mattoso, havia registrado que a superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro é um foco de interesse da família Bolsonaro.

No final da tarde, o presidente se desculpou: "Desculpa aí se eu fui um pouco grosseiro de manhã com uma senhora e um senhor aqui", disse.

Mauricio Stycer