PUBLICIDADE
Topo

No maior papelão da carreira, ator se oferece na TV para cargo no governo

Em debate com Fúlvio Stefanini, Mario Frias se disse pronto para ocupar cargo no governo: "Pro Jair, o que ele precisar, eu tô aqui" - Reprodução
Em debate com Fúlvio Stefanini, Mario Frias se disse pronto para ocupar cargo no governo: "Pro Jair, o que ele precisar, eu tô aqui" Imagem: Reprodução
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

07/05/2020 15h34

Que a área de cultura do governo Bolsonaro, até o momento, tem-se caracterizado como um deserto de iniciativas todo mundo já sabe. Não sai nada dali, nem mesmo uma mensagem de pêsames pela morte de artistas e criadores do primeiro time.

Já sabemos há alguns meses que, além de não (conseguir) fazer nada, Regina Duarte é alvo de intrigas variadas, destinadas a desalojá-la do cargo. A mais recente, na última terça-feira (05), envolveu a renomeação para a presidência da Funarte de Dante Mantovani, um homem que a secretária de Cultura não queria no cargo.

Essa jogada truculenta, evidentemente, sinalizou que a frigideira estava em fogo alto. No mesmo dia, bombeiros entraram em ação e a renomeação do funcionário foi cancelada.

Na quarta-feira (06), Regina almoçou e teve uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro. O clima do encontro, segundo relatos feitos à Folha, foi de descontração, mas a sua continuação à frente da Secretaria Especial a Cultura ainda é incerta.

As especulações em torno de substitutos para a atriz na secretaria estão a mil. Vários nomes já foram mencionados nos últimos dias. Sabe-se lá como, entre eles, apareceu o nome do ator e produtor Mario Frias.

Sem a menor cerimônia, o ator demonstrou publicamente o seu interesse no cargo durante um debate com Fúlvio Stefanini na CNN Brasil. Contrariando todas as boas maneiras e os salamaleques exigidos nestes momentos delicados, ele disse ao canal: "Pro Jair, o que ele precisar, eu tô aqui".

E sublinhou: "Torcendo muito pra Regina, eu sou fã dela, mas pelo Brasil eu tô aqui. Respeito o Jair demais, vejo o Brasil finalmente com chances de ser respeitado, ser honesto. Vi gente falando essa bobagem de AI-5, intervenção militar, mas ele nunca disse isso, não defendeu isso. Tô pronto e aqui para o que precisar", disse.

Apresentadores da CNN Brasil caem na risada após entrevista de Mario Frias - Reprodução
Apresentadores da CNN Brasil caem na risada após entrevista de Mario Frias
Imagem: Reprodução


A sua disposição de aceitar o cargo, mesmo que não tenha ainda ocorrido um convite formal, chamou tanto a atenção que os apresentadores da CNN caíram na gargalhada depois de encerrada a entrevista.

Entre todos os absurdos desta situação da Secretaria de Cultura, o papelão de Mario Frias ocupa um lugar especial pelo excesso de sinceridade.

Experiente, mas sem maior brilho, Frias tem no currículo participação em novelas e séries nas décadas de 1990 ("Meu Bem Querer", "Malhação") e 2000 ("Floribella"), além de ter comandado programas de pouco ou nenhum sucesso em anos mais recentes, como "O Último Passageiro" e "Tô de Férias".

Frias é um defensor ardoroso do presidente Bolsonaro. Em seu perfil no Instagram está sempre manifestando apoio ao governo e reproduzindo críticas aos opositores do presidente.

Um ator se oferecer para ocupar o cargo de uma colega no governo diz muito destes tempos atuais, de pouca compostura, ressentimentos a flor da pele e sanha incontrolável.

Mauricio Stycer