PUBLICIDADE
Topo

Não é só na novela; falta representatividade racial em todas as áreas da TV

Em resposta a críticas, o "Em Pauta", na GloboNews, reuniu apenas jornalistas negros para discutir racismo - Reprodução
Em resposta a críticas, o "Em Pauta", na GloboNews, reuniu apenas jornalistas negros para discutir racismo Imagem: Reprodução
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

07/06/2020 05h01Atualizada em 07/06/2020 20h18

Mais notada na teledramaturgia, a falta de representatividade racial na televisão se estende, na realidade, a todas as áreas. Foi essa a importante questão levantada esta semana pela jornalista Alexandra Loras, ex-consulesa da França em São Paulo, durante entrevista à CNN Brasil.

O problema vem de longe, assim como as tentativas de solucioná-lo. Há dois anos, em maio de 2018, o Ministério Público do Trabalho notificou a Globo, pedindo para a emissora "propiciar a representação da diversidade étnico-racial da sociedade brasileira" na novela "Segundo Sol".

Ambientada em Salvador, uma cidade brasileira com maioria de população preta ou parda, a novela de João Emanuel Carneiro tinha apenas protagonistas brancos e poucos atores negros em papeis secundários.

Em junho de 2018, o MPT também notificou SBT e Record pelo mesmo motivo: falta de diversidade racial em seus programas e em seus quadros funcionais. Um levantamento do UOL mostrou, na ocasião, que os atores negros trabalhando na dramaturgia das três principais emissoras do país representavam apenas 7,98% do total.

Agora em 2020, na esteira dos protestos contra racismo e violência policial contra negros nos Estados Unidos, Alexandra Loras apontou o dedo para as escolhas feitas pelo jornalismo. "Hoje, a CNN e toda mídia brasileira têm o poder de convidar acadêmicos negros para conversar sobre essa temática", disse ela a Daniela Lima no programa "CNN 360º".

E completou: "Quando vejo o William Waack, que foi mandado embora por um episódio de racismo, e hoje ele debater tanto tempo sobre o racismo... Eu acho que deveríamos também convidar negros para debater sobre essas questões".

Loras tocou em um ponto sensível. As emissoras, e não apenas a CNN Brasil, têm o hábito de ouvir sempre os mesmos "especialistas" e raramente trazem vozes novas para os debates. Numa discussão sobre o racismo, como ela disse, seria fundamental ouvir a opinião de estudiosos negros.

O mesmo vale para o time de apresentadores das emissoras de TV. Embora haja uma preocupação neste quesito, jornalistas pretos ou pardos ainda são minoria em todos os canais.

Na mesma terça-feira (02) que a CNN Brasil ouviu críticas, a GloboNews foi igualmente alvo de protestos e ironias por debater sobre os protestos contra o racismo nos EUA com uma bancada formada exclusivamente por brancos. Um meme com a foto de todos os participantes do programa "Em Pauta" e o questionamento "rapaziada, a pauta é racismo" viralizou na internet.

No dia seguinte, o apresentador Marcelo Cosme leu uma nota da Globo em que disse: "Entendemos o recado". O programa, então, foi apresentado por Heraldo Pereira e o assunto foi debatido por cinco jornalistas negras da emissora: Maju Coutinho, Flavia Oliveira, Zileide Silva, Aline Midlej e Lilian Ribeiro.

O programa foi reprisado na sexta-feira (05) dentro do "Globo Repórter", da Globo, acrescido de um depoimento de Gloria Maria, que falou de situações de racismo que vivenciou.

A ver se a situação muda de fato.

Ao assumir o comando do "Jornal da Cultura", há dois anos, Joyce Ribeiro disse: "Em 2018, a presença de uma mulher negra em papel de destaque na TV é tão questionada e chama tanto a atenção" . No ano seguinte, quando entrou para a escala de plantonistas do "Jornal Nacional" e se tornou a primeira mulher negra a apresentar o telejornal, Maria Julia Coutinho disse: "É simbólico e, infelizmente, ainda é notícia".

"A TV fica melhor quando contempla a diversidade", disse Lázaro Ramos, em entrevista ao UOL, em março de 2017. Três anos depois, este objetivo ainda está longe de ser alcançado.

Stycer recomenda
UOL Vê TV #30: Jornalismo cresce com disputa entre GloboNews e CNN Brasil

Ibope: Record fecha maio em segundo lugar. SBT continua em terceiro

Em livro, Thunder revê a "vida loka" e acerta contas com o passado na MTV

Na pandemia, "Conversa" se adapta, fica mais leve e vira "Papo com Bial"

Melhor da semana
Reprise de futebol derruba Ibope da Globo e Eliana tem vitória histórica

Pior da semana
Estreia de Evaristo esfria grade e CNN apanha feio da GloboNews

Uma versão deste texto foi publicada originalmente na newsletter UOL Vê TV, que é enviada às quintas-feiras por e-mail. Para receber, gratuitamente, é só se cadastrar aqui.

Siga a coluna no Facebook e no Twitter.

Mauricio Stycer