PUBLICIDADE
Topo

Alinhada com governo, Record vê "narrativa dominante de alarmismo" na mídia

Antonio Guerreiro, vice-presidente de jornalismo da Record - Record TV
Antonio Guerreiro, vice-presidente de jornalismo da Record Imagem: Record TV
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

12/06/2020 20h03

Como cobrir a pandemia de coronavírus, que em três meses já causou 41.828 mortes no Brasil? Na visão de Antônio Guerreiro, vice-presidente de jornalismo da Record, é preciso dosar realidade com esperança.

Em uma live do "Meio & Mensagem", publicação dedicada ao mercado publicitário, exibida nesta sexta-feira (12), o executivo disse: "Levar informação de qualidade, com credibilidade e sem alarmismo. Isso é o que define, pra mim, a cobertura da Record nessa pandemia".

Guerreiro chegou a esta fórmula após olhar em volta e não concordar com o que estava vendo. "Fiquei muito preocupado quando comecei a ver uma narrativa dominante de um alarmismo absurdo".

A sua visão coincide com as seguidas críticas do presidente Jair Bolsonaro e do ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência, Luiz Eduardo Ramos, à cobertura de alguns veículos, em especial da Globo. Bolsonaro tem se referido à emissora carioca como "TV Funerária". Sem citar a Globo, Ramos já acusou meios de comunicação de "parcialidade" por não divulgarem os dados do "placar da vida" e enfatizarem apenas os números de mortos.

Guerreiro afirma que, apesar de defender uma cobertura mais leve, não está "minimizando em nada a pandemia". Ele diz que o jornalismo da Record mostra diariamente que "a pandemia é muito séria".

Mas ressalva: "Nós não podemos deixar de levar a esperança. Somos uma emissora de TV aberta, somos uma concessão pública, nós temos presença no território brasileiro inteiro, nós temos que mostrar, sim, que há esperança".

E, otimista, defende: "Nós vamos vencer essa crise tanto econômica, quanto sanitária, quanto política. Nós vamos vencer, nós vamos sair dessa".

Mauricio Stycer