PUBLICIDADE
Topo

O que explica o bom ou razoável Ibope de todas reprises de novelas da Globo

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

07/07/2020 10h54


Um fenômeno interessante nesta pandemia é o bom resultado das reprises de novelas da Globo. Do Vale a Pena Ver de Novo, no meio da tarde, até o horário mais nobre, às 21h, todas as cinco tramas da emissora estão indo razoavelmente bem, com índices entre 20 e 30 pontos.

Não temos nenhum grande sucesso, um fenômeno, mas temos resultados bem razoáveis. "Êta Mundo Bom" segurou e até superou a audiência de "Avenida Brasil", a novela que a antecedeu no Vale a Pena Ver de Novo.

"Malhação Viva a Diferença" e "Novo Mundo", no horário das 18h, não estão arrebentando. Costumam ter até um pouco menos de audiência que "Êta Mundo Bom", mas não estão fazendo feio. Tem registrado médias perto de 20 pontos.

E aí vem "Totalmente Demais", com audiência ainda maior do que na exibição original, perto dos 30 pontos. E "Fina Estampa", com 32, 33 e as vezes 34 pontos.

Tudo bem. Com a pandemia, tem mais gente em casa, assistindo TV. O número de aparelhos ligados aumentou. E existe o hábito: o brasileiro adora novelas. Não resiste a ver mesmo reprises. Ok. Concordo.

Mas a concorrência ajuda também. Por falta de recursos, por causa das dificuldades de gravação, as emissoras que competem com a Globo também não oferecem resistência.

Essa falta de opções na TV aberta facilita a vida da Globo. Nesta altura, deve ter algum executivo da emissora apensando se vale a pena gastar tanto dinheiro investindo em novas novelas. Está fácil com reprises...

Mauricio Stycer