PUBLICIDADE
Topo

SBT tem planos para o futuro, mas durante a pandemia quer apenas sobreviver

Silvio Santos  - Divulgação/SBT
Silvio Santos Imagem: Divulgação/SBT
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

24/07/2020 06h01Atualizada em 24/07/2020 13h59

Há duas formas de enxergar a situação atual do SBT. Os mais pessimistas descrevem uma emissora paralisada, sem saber como reagir à crise e à mercê das más ideias de programação de Silvio Santos. Os mais otimistas, ou menos pessimistas, acreditam que a emissora tem uma estratégia de programação para voltar a crescer após a pandemia.

Entre uns e outros, há consenso de que o SBT nestes meses atuais busca apenas sobreviver. A emissora perdeu a vice-liderança para a Record durante três meses e não dá nenhum sinal no curto prazo de que tem uma ideia sobre como reverter a impressão de inércia que tomou conta do canal.

Apesar de ter ficado em terceiro lugar nos meses de abril, maio e junho, no acumulado do primeiro semestre, no PNT (Painel Nacional de Televisão), que reúne a audiência de 15 centros urbanos, a emissora superou a rival por 4,6 a 4,5 pontos na média das 24 horas.

Como falamos num recente podcast UOL Vê TV, a falta de investimento em jornalismo, uma má tradição do SBT, certamente contribuiu para os maus resultados dos últimos meses. O excesso de reprises em quase todas as áreas da programação, igualmente, não ajudou.

A final do Campeonato Carioca caiu no colo da emissora, gerou muita notícia, algum dinheiro, mas não teve maior impacto, por enquanto. O SBT não tem planos de investir mais em futebol, além do que já faz (a Copa do Nordeste).

Sobre as mexidas de Silvio Santos na programação, ninguém fala nada, é claro. O dono do SBT está em casa, confinado, há quatro meses. Dá ordens pelo telefone, mas evidentemente sente falta de ir à emissora.

Silvio tem consciência das dificuldades que o SBT enfrenta e sabe que não vai resolver os problemas com as idas e vindas do "Triturando", a ideia de reprisar o "Primeiro Impacto", ou colocando "Alarma TV" na madrugada.

Com o afastamento de Lívia Andrade do Triturando, por motivos ainda não muito claros, Chris Flores ganhou um protagonismo inesperado. A escalação para comandar o "Notícias Impressionantes", mesmo tendo durado apenas um dia, foi um sinal de que Silvio gosta da nova apresentadora. .

Essas mudanças na grade estão à mão (basta um telefonema), são possíveis de fazer sem maior complicação, e não afetam muito o negócio. Além, naturalmente, de divertirem o Patrão. O único impulso recente de Silvio que pegou muito mal foi a decisão de cancelar uma edição de sábado do "SBT Brasil", em maio.

Quem conhece detalhes sobre o plano para o pós-pandemia diz que o SBT vai surpreender.

Em agosto de 2021, o SBT completa 40 anos. Este é o mote para as novidades que virão. As comemorações vão começar logo em janeiro, com a reexibição de clássicos da programação.

Um projeto tratado com carinho é o "SBT News", baseado em Brasília. Com a promessa de muito investimento, pretende ser um portal de notícias, que vai produzir boletins para a TV e, também, um novo telejornal.

Mauricio Stycer