PUBLICIDADE
Topo

Morre o pastor Laprovita Vieira, que ajudou Edir Macedo a comprar a Record

O ex-deputado Laprovita Vieira - Reprodução/ Twitter
O ex-deputado Laprovita Vieira Imagem: Reprodução/ Twitter
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

25/07/2020 01h20Atualizada em 25/07/2020 11h51

Personagem importante no negócio que levou à compra da TV Record por Edir Macedo, o pastor Odenir Laprovita Vieira morreu nesta sexta-feira (24) no Rio. Tinha 82 anos. Foi deputado federal por dois mandatos nos anos 1990 e posteriormente deputado estadual. Um de seus filhos, Marcus Vinícius Vieira, é CEO do Grupo Record.

Na saga para adquirir Record, em 1989, Edir Macedo temia que os donos da emissora, a família Machado de Carvalho e Silvio Santos, não aceitassem vendê-la ou inflacionassem o valor se soubessem que o comprador era o fundador da Igreja Universal.

Por este motivo, Macedo escalou como intermediário o pastor Laprovita Vieira. E recomendou que ele fosse às reuniões com um maço de cigarros no bolso da camisa para que ninguém desconfiasse que era um religioso.

laprovita - Reprodução - Reprodução
Laprovita Vieira entre Silvio Santos e Edir Macedo em imagem postada em seu perfil no Facebook
Imagem: Reprodução
"Eu gostaria que o senhor fosse para São Paulo comprar a Record. Vai em frente e feche o negócio, seu Vieira", teria dito Macedo, segundo alguns dos relatos sobre o negócio.

Vieira negociou com os Machado de Carvalho e Silvio Santos o valor e as condições do negócio. Apenas na reta final, Edir Macedo apareceu como o comprador.

No livro "O Reino", o jornalista Gilberto Nascimento afirma que o papel de Vieira foi exagerado na história. O verdadeiro operador do negócio, segundo ele, foi o empresário Alberto Haddad.

Escreve Nascimento: "Nos relatos oficiais, a Universal sempre apontou 'seu Vieira', como Laprovita era conhecido, como o responsável pela compra, a fim de que não constasse da história oficial que alguém de fora da igreja tivesse assumido papel tão vultoso. Em sua biografia, Macedo atribuiu a Bebetto (Haddad) um 'papel insignificante na evolução do negócio'. Contudo, Bebetto 'foi o grande avalista: ofereceu as garantias e deu o cheque para a entrada no nome da empresa dele', atesta Ronaldo Didini".

Em nota de pesar divulgada na noite desta sexta-feira, o Grupo Record lamentou a morte de Laprovita Vieira, registrou que ele "teve importante atuação na Igreja Universal do Reino de Deus" e reafirmou que "empresário, ainda participou da negociação que transferiu a propriedade da Record TV em 1989, passando a exercer vários cargos em empresas de comunicação".

Mauricio Stycer