Topo

Coluna

Ricardo Feltrin

"Padre sertanejo" diz desconhecer denúncias e que não fez voto de pobreza

Divulgação/Lourival Ribeiro/SBT
Silvio Santos recebeu o padre sertanejo Alessandro Campos em seu programa no ano passado Imagem: Divulgação/Lourival Ribeiro/SBT
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

17/12/2018 07h11

Padre Alessandro Campos respondeu a todas as queixas remetidas por telespectadores e pessoas que trabalharam próximas a ele nos últimos anos. Ele nega todas as acusações.

Também diz desconhecer denúncias de maus-tratos a profissionais de TV e que jamais ofendeu idosas em seu programa. Que apenas "brinca" com elas, "que adoram as brincadeiras". Segue a entrevista do religiosos, enviada por e-mail.
 
O padre é acusado de tratar com desrespeito idosas que vão ao seu programa, embora se autoproclame também como "o padre das velhinhas"; há queixas registradas até em sites, inclusive de ofensas verbais.
 
Padre Alessandro Campos: O padre sempre brinca com as senhoras, que adoram as brincadeiras. Claro que não é possível agradar a todos e, porventura, algumas podem não ter gostado em algum momento. 
 
Os shows lotados e programas com a plateia sempre cheia mostra que a grande maioria do meu público tem um grande carinho. Quanto às queixas seria importante me informar, pois não são de meu conhecimento.
 
Há várias queixas postadas contra seus últimos patrocinadores e anunciantes no site Reclame Aqui, devido a venda de produtos ou serviços irregulares.
 
Padre Alessandro: Não tenho nenhum patrocinador. Os anunciantes dos programas são negociados pela emissora, e são os mesmos anunciantes presentes em todas as TVs abertas.
 
O sr. foi apontado como beneficiário de uma agência de viagens, a Habemus, que fatura muito com pacotes (que o sr. vende na TV); e que nessas viagens leva a família toda gratuitamente e ainda fatura uma comissão sobre os pacotes vendidos.
 
Padre Alessandro: Não procede! Fiz somente uma viagem para a Disney com essa empresa. Quanto a levar a família e ganhar uma comissão sobre os pacotes é procedimento normal em todas as agências que fazem pacotes com artistas devido ao pagamento de cachê, afinal também tenho carreira e ganho meu dinheiro decentemente.
 
Apesar do sacerdócio de padre, o sr. gosta de ostentar relógios de ouro, anéis, correntes tem carros importado, anda de helicóptero e exibe tudo isso em vídeos publicados em suas redes sociais. Vive em uma linda residência em Mogi também, mas, segundo apurei até agora, praticamente nenhum bem está em seu nome.
 
Padre Alessandro: Eu, padre Alessandro Campos, não fiz voto de pobreza. Perante à Igreja Católica não existe problema algum em um padre trabalhar e ganhar seu dinheiro. 
 
Devido a distância entre um show e outro, pelos compromissos com a TV ao vivo e as rádios, é necessário o fretamento de helicóptero, o que é feito pelo contratante. Como acontece com qualquer artista que tem a quantidade de compromissos que eu. Em relação à minha casa, sim, é uma linda residência e trabalhei muito para isso.
 
Pelo que apurei o sr. foi alvo de queixas e denúncias junto à Cúria Metropolitana e até no Vaticano, devido a sua conduta, que algumas vezes é considerada por muitos fiéis como inapropriada.
 
Padre Alessandro:  Não procede! Tudo que faço está de acordo com o Bispo Dom Pedro Luiz Stringhini que por sua vez está de acordo com a Igreja Católica Apostólica Romana. Quanto a denúncia no Vaticano nunca tive conhecimento de nenhuma.
 
LEIA MAIS

Padre sertanejo é acusado de ostentação e de ofender idosos

RedeTV contrata padre para comandar musical em 2019

Colunista Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops