Topo

Novelas

A novela eleitoral: 5 candidatos da ficção e suas promessas na TV

Reprodução/TV Globo
Imagem: Reprodução/TV Globo

Gisele Alquas

Do UOL, em São Paulo

01/09/2018 04h00

Foi dada a largada para o horário eleitoral gratuito, oportunidade que o povo tem para conhecer melhor as propostas dos candidatos a deputado federal e estadual, governador e presidente da República.

Mas além de alterar o horário de suas novelas preferidas, os postulantes e veteranos da política na vida real já inspiraram muitos personagens da ficção, para bem ou para o mal -- longe de nós querer fazer comparações!

Aproveitando esta época de muitas promessas, o UOL relembra cinco políticos memoráveis da TV. 

  • Reprodução/TV Globo

    "O Bem Amado" (1973)

    Odorico Paraguaçu é um dos políticos mais famosos das novelas brasileiras. O prefeito de Sucupira na obra de Dias Gomes era corrupto, mas idolatrado pelo povo. Demagogo, gostava de citar pensadores e grandes intelectuais, como Platão e Rui Barbosa, assim como inventava frases que atribuía a personalidades, tudo para impressionar. Odorico tinha como promessa inaugurar o cemitério da cidade, mas ninguém morria. Para não atrapalhar seus planos eleitoreiros, ele trouxe de volta à cidade o pistoleiro Zeca Diabo, interpretado por Lima Duarte, para dar uma força com a estatística de mortes.

  • Reprodução/TV Globo

    "O Rei do Gado" (1996)

    A luta pela terra era o foco narrativo de "O Rei do Gado", de Benedito Rui Barbosa, que iniciava com a disputa das famílias de imigrantes italianos Berdinazzi e Mezenga, na década de 40, e chegava aos conflitos entre sem-terra e fazendeiros nos anos 1990. Como aliado, o movimento contava com o incorruptível senador Roberto Caxias (Carlos Vereza), um incansável defensor dos direitos das minorias. Por ser honesto demais e não ceder à pressão de gente poderosa, ele acabou morto na trama.

  • Reprodução/TV Globo

    "A Indomada" (1997)

    A cidade de Greenville, construída com base da antiga Inglaterra, era o orgulho dos seus moradores, que a consideravam "um pedaço da Inglaterra no Nordeste", mantendo até as tradições britânicas -- como mão inglesa na direção. A trama de Aguinaldo Silva contava com a vilã Altiva, que tinha como fiel escudeiro o picareta deputado Pitágoras Williams Mackenzie (Ary Fontoura). Apaixonado por ela, ele prometia apoio a todos os planos maquiavélicos tramados contra Helena, a mocinha da história, vivida por Adriana Esteves.

  • Reprodução/TV Globo

    "Senhora do Destino" (2004)

    Um dos personagens mais marcantes da carreira de Eduardo Moscovis foi o político Reginaldo, o prefeito da fictícia cidade Vila São Miguel, em "Senhora do Destino", também de Aguinaldo Silva. Corrupto, sempre com o apoio da amante Viviane (Letícia Spiller), o governante era ambicioso e tirava proveito da popularidade da mãe, Maria do Carmo (Susana Vieira), uma empresária de sucesso, para conquistar os eleitores. Acabou morrendo apedrejado pelo próprio povo, após ter suas falcatruas reveladas pela mãe em pleno comício.

  • Reprodução/TV Globo

    "Babilônia" (2015)

    O prefeito de Jatobá, Aderbal Pimenta (Marcos Palmeira), não era examente um amador na pilantragem. Ao longo da trama das nove de Gilberto Braga, foi capaz de se aliar a milicianos e organizou um esquema de propina e lavagem de dinheiro. Falso moralista, apelava para o eleitorado mais conservador e pregava a união da família tradicional. Por isso, o corrupto era contra o namoro da filha Laís (Luisa Arraes) com Rafael (Chay Suede), filho adotivo do casal de lésbicas Teresa (Fernanda Montenegro) e Estela (Nathaia Timberg). Além do mais, fingia ter uma rotina modesta e morar numa casa simples, mas mantinha uma vida secreta de luxos.