PUBLICIDADE
Topo

Televisão

Da penúria à glória: programas da Record se destacaram com ou sem dinheiro

"Astros do Disco" foi exibido pela TV Record - Reprodução/tvhistoria.com.br
"Astros do Disco" foi exibido pela TV Record Imagem: Reprodução/tvhistoria.com.br

Gilvan Marques

Do UOL, em São Paulo

21/09/2018 04h00

Mais antiga emissora de televisão ainda no ar, a TV Record (ou seria RecordTV?) teve momentos de protagonismo ao longo de sua história através de programas lembrados por várias gerações até os dias de hoje. A emissora paulista completa 65 anos no próximo dia 27 de setembro.

Seja na dramaturgia, no jornalismo, nos musicais ou no entretenimento, a Record produziu algumas atrações que se destacaram (mesmo em época de “vacas magras” e com pouco dinheiro disponível).

Foi o caso do “Programa do Raul Gil”, por exemplo, que teve de recorrer a uma fabricante de móveis para bancar todos os custos da atração, inclusive o salário dos funcionários.

A seguir, o UOL relembra alguns desses programas que fizeram sucesso na Record (com ou sem dinheiro) e que incomodaram a concorrência.

  • "Família Trapo"

    Sob o comando de Jô Soares, Ronald Golias, entre outros, o humorístico foi exibido pela Record entre 1967 e 1971. Com baixo custo, a atração era realizada inicialmente em um teatro no centro de São Paulo, com textos improvisados, cenário pobre e sempre "ao vivo". Fez tanto sucesso que a fila de pessoas que queriam assistir o humorístico dava voltas no quarteirão.

  • "Grande Ginkana Kibon"

    O programa é registrado como um dos primeiros infantis da televisão brasileira. Foi transmitido aos domingos, entre os anos de 1955 e 1971, e se sustentou por tanto tempo assim graças ao patrocínio fixo de uma marca de sorvetes. O formato baseava-se em brincadeiras e no concurso entre crianças. A ideia de implementar o nome do produto aos programas daquela época teria partido do radialista Casimiro Pinto Neto, conforme relatado no livro "Biografia da Televisão Brasileira", dos jornalistas Flávio Ricco e José Armando Vannucci.

  • "Astros do Disco"

    Em sua época de glória, a Record se especializou em produzir musicais (caros, diga-se de passagem) com um bom retorno financeiro e de audiência. Foi o caso, por exemplo, do "Astros do Disco", exibido nas noites de sábado sob o comando de Randal Juliano (1925-2006). O programa se transformou em um dos maiores sucessos da emissora. Os principais artistas daquela época faziam questão de marcar presença no programa.

  • "Programa Jovem Guarda"

    Produzido entre os anos de 1965 e 1968, a Record também se destacou ao lançar o trio Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa como apresentadores do ?Programa Jovem Guarda?. Naquela época, a Record transmitia o futebol, sem pagar nada por isso, mas os clubes se rebelaram e decidiram cobrar. A Record disse "nananinanão". Foi aí que surgiu o programa musical, ideia criada por um grupo de publicitários.

  • "Programa Raul Gil"

    O apresentador Raul Gil também marcou época na Record. Estreou em 1973 e conduziu o primeiro programa em cores exibido pela emissora. Naquela época a Record vivia na penúria, devia a Deus e ao mundo. Raul Gil, então, firmou parceria com a empresa, que, por sua vez, adquiriu espaço na programação da emissora por oito anos. A fábrica Móveis Brasil era quem pagava inclusive o salário dos funcionários e bancava todos os custos.

  • "Cidade Alerta"

    Talvez o "Cidade Alerta" não tenha inventado a "rodinha", mas se consolidou como o principal jornalístico policial da TV brasileira. É considerado um dos primeiros sucessos da Record, em sua nova fase, já nas mãos de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). Está há 15 anos não ininterruptos no ar. Passou pelas mãos de José Luiz Datena, William Travassos, Reinaldo Gottino, Luiz Bacci, entre outros. Marcelo Rezende (1951 - 2017) tentou suavizar o noticiário pesado dando um toque de humor.

  • "Os Dez Mandamentos"

    A Record exibiu a novela bíblica "Os Dez Mandamentos", talvez o seu maior sucesso na história da dramaturgia da emissora. O investimento foi milionário. Algo em torno de R$ 700 mil por capítulo. O fato é que a novela fez tanto sucesso a ponto de incomodar inclusive a TV Globo.

Televisão