Topo

Televisão

De "Xupadora" a apagão: 10 bizarrices dos 20 anos do "Programa do Ratinho"

Montagem/UOL/Reprodução/SBT
Padre Quevedo x Inri Cristo, autoexame de mama e DNA com travesti: três momentos do "Programa do Ratinho" Imagem: Montagem/UOL/Reprodução/SBT

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

09/09/2018 04h00

O "Programa do Ratinho" completa neste mês 20 anos no ar no SBT. Nestas duas décadas, a atração passou por altos e baixos e dezenas de trocas de horário, mas manteve a essência bizarra. Afinal, Carlos Massa, o Ratinho, não sente vergonha por ser "trash". Ao contrário, ele se orgulha de comandar o programa o mais caótico da TV.

Antes do SBT, "Programa do Ratinho" foi ao ar na rede paranaense OM (atual CNT). Bem-sucedido no jornalismo policial como discípulo de Luiz Carlos Alborghetti (1945-2009), Carlos Massa migrou para a Record e, em 1998, mudou-se para o SBT em uma transação polêmica e milionária --a rescisão do contrato de R$ 43 milhões foi pechinchada por Silvio Santos para R$ 14 mi.

Logo na estreia, Ratinho apresentou o programa com o cenário inacabado. Era o cartão de visitas do apresentador para anunciar o mundo bizarro que entraria na casa do telespectador dali em diante, com Marquito, Sombra, Bailarino, Bola e os seguranças Caroço e Azeitona.

Atualmente, a trupe é formada por Santos, Valentina, Pavorô, Renata e Faxinildo, além dos veteranos Marquito e Sombra, que mantém a essência brega do programa que "tem café no bule" e onde "hoje a cobra vai fumar", dois bordões de Ratinho.

10 momentos bizarros do "Programa do Ratinho"

  • Mulher trocada por cadela

    "Mulher acusa: meu marido me trocou por uma cadelinha". Apenas esta legenda na tela do "Programa do Ratinho" resume a história da atração do SBT. Em 1998, uma mulher disse que o companheiro tratava com mais carinho a cachorra do casal do que ela própria. O ápice aconteceu quando a cadela se aproximou do dono para receber um afago. O que poderia ser um crime de zoofilia acabou se tornando em um romance bizarro, com direito a "É o Amor" de trilha sonora.

  • Montagem/UOL/Reprodução/SBT

    "A Xupadora"

    O talentoso elenco do "Programa do Ratinho" é craque em dramatizar relações amorosas que resultam em testes de DNA, mas também parodia novelas como ninguém. Em 1999, no auge de "A Usurpadora" no SBT, a atração lançou "A Xupadora". O nome sugestivo combinava com os personagens: Paola e Paulina eram interpretadas pelos irmãos Caroço e Azeitona. Marquito era o galã Carlos Daniel. A atriz Gabriela Spanic, a verdadeira "Usurpadora", invadiu o capítulo final!

  • Reprodução/SBT

    Cenário destruído

    Em 2000, Ratinho "pistolou" quando soube que a direção do SBT não lhe daria um cenário novo. Irritado, ele próprio pegou um machado para destruir as paredes e autorizou o elenco para completar o serviço. E ameaçou: "Avise que se não tiver cenário não tem programa! Eu avisei que se não me dessem cenário eu iria quebrar". O caos foi planejado, porque outro cenário já estava pronto e estreou no programa seguinte.

  • Reprodução/SBT

    Aula de pirataria

    No auge da pirataria, em 2001, Ratinho ensinou aos telespectadores a copiar CDs. Existe algo mais surreal? O repórter Ney Inácio chamou um profissional para "clonar" um CD com um programa de computador. O apresentador aproveitou para se vingar de dois desafetos: "Vamos copiar Chitãozinho & Xororó. Já que eles não querem vir ao nosso programa, 'nóis arregaça' eles aqui!".

  • Reprodução/SBT

    Padre Quevedo x Inri Cristo

    Religiões, fantasmas e histórias sobrenaturais já pautaram muitas edições do "Programa do Ratinho". Claro, sempre com toques de bizarrices. Em 2001, o famoso padre Quevedo teve um embate quente com Inri Cristo, que se dizia reencarnação de Jesus. "Te dou 10 mil dólares se dobrar o meu dedo!", desafiou Quevedo. Inri debochou: "Seu dedo é imundo, não mexo porque eu sei onde ele anda metendo ele!". Nem o padre conseguiu segurar o riso: "Imaginem Jesus Cristo dizendo essa grosseria!".

  • Reprodução/SBT

    "Globo, termine a novela!"

    Após uma fase ruim de audiência, Ratinho retomou seu programa em 2009, à tarde. No ano seguinte, voltou ao horário nobre, mas só exibia suas melhores atrações após o fim da novela da Globo. Em dezembro de 2010, ele cansou de esperar e telefonou para a própria Globo terminar o capítulo de "Passione". "Aqui é do 'Programa do Ratinho', e a gente fica esperando todo dia vocês terminarem a novela para a gente colocar as coisas no ar. Corte a novela para a gente subir um pouco mais!".

  • Reprodução/SBT

    Teste de DNA com travesti

    Precursor nos exames de DNA na televisão, Ratinho sempre prometia arranca-rabos nos testes de paternidade: "Hoje a cobra vai fumar!". Em 2010, Daiane tinha certeza de que Leandro era o pai de suas duas filhas. Quando o rapaz entrou no estúdio, o apresentador se assustou ao ver uma travesti, que fingia ser heterossexual para os pais. O resultado: as crianças eram sim filhas de Leandro (ou Ryara Karolyne).

  • Reprodução/SBT

    Autoexame de mama

    Fazer o autoexame de mama é imprescindível para as mulheres, e conscientizar a população para os riscos do câncer é uma atitude nobre. Mas, em 2011, Ratinho avacalhou: tirou a camisa e ficou seminu para ensinar às mulheres a tocar as "tetas", com direito a "Mamãe, eu quero mamar" de trilha sonora. A campanha virou piada, e o apresentador optou por ser mais discreto na divulgação do "Outubro Rosa" nos anos seguintes

  • Reprodução/SBT

    Luis Ricardo "pegando fogo"

    Um número de circo quase se tornou um acidente fatal no "Programa do Ratinho". Em 2014, Luis Ricardo resolveu relembrar suas raízes circenses ao assoprar labaredas com a boca cheia de álcool. Ele se atrapalhou e acabou ficando com o rosto queimado. Ratinho se desesperou e tentou salvar o colega, que correu para fora do estúdio. Luis Ricardo foi internado e, na semana seguinte, voltou à atração para explicar o acidente --desta vez, sem fogo.

  • Reprodução/SBT

    Apagão

    A bizarrice mais recente do "Programa do Ratinho" aconteceu em julho de 2018, quando a luz do estúdio apagou ao vivo durante uma apresentação do quadro "Dez ou Mil". O apresentador chamou o intervalo e, na volta, Santos "assumiu" a culpa ao dizer que tirou a luz da tomada para carregar o celular. Mais bizarro ainda foi o SBT ter usado a brincadeira do humorista como resposta oficial.