PUBLICIDADE
Topo

Os artistas têm o dever de se posicionar politicamente?

Ana Cora Lima

Do UOL, no Rio

11/06/2015 20h43

Autorização para biografias, apresentações patrocinadas por entidades ou personalidades duvidosas, legalização das drogas, aborto, casamento gay... São tantos os assuntos em debate no país, que quem tem por ofício segurar o microfone diante do público se vê numa situação delicada: afinal de contas, o artista popular tem obrigação ou não de se posicionar politicamente sobre questões como essas?

O UOL aproveitou a cerimônia de entrega do 26º Prêmio da Música Brasileira, que reuniu a nata da MPB nesta quarta-feira (10) no Rio de Janeiro, para ouvir o que nossos artistas pensam sobre isso. Confira as opiniões a seguir:

  • Gilberto Gil

    "O artista é quem tem que decidir se se posiciona ou não. Não tem que ter cobrança nem obrigatoriedade. Os artistas não são entidades no vácuo. São pessoas concretas, físicas e com suas vontades, problemas, desejos, dúvidas. O artista, quando tem dúvida, ele se manifesta. Quando tem posições variadas, também. Se ele quer se manifestar sobre uma posição política, ele se manifesta. Se ele não quer, ele se cala."

  • Luiz Melodia

    "O artista tem que estar presente em qualquer discussão, qualquer polêmica. Vejo isso como um jeito de mudar coisas. Toda vez que está ao meu alcance, eu me posiciono. Todo mundo precisa levantar uma bandeira de uma maneira que possa mudar qualquer coisa que não seja boa para a nossa convivência. Estamos ainda em um país retrógrado demais... Temos que estar presentes para as mudanças . Estamos no século 21 e não temos mais tempo a perder.?

  • Erasmo Carlos

    "O artista não tem obrigação de nada. Ele faz o que ele quer e o que ele sente. Como ser humano, ele é uma coisa. Como artista é outra. O artista que mistura isso morre, ele pira. Não dá para misturar. Cada um com sua potencia, com sua liberdade... Ninguém tem que influenciar ninguém, ninguém tem que fazer uma coisa porque existe uma pressão, uma cobrança."

  • Fernanda Takai

    "Quando sou chamada para me posicionar, eu me posiciono. Eu nunca me envolvo tanto porque, se eu falo em meu nome, as pessoas acabam achando que eu estou falando em nome da banda [Pato Fu], e não temos as mesmas posições políticas. Eu sou reservada com relação a se posicionar sobre um determinado assunto, mas quando isso acontece, vou lá e dou a minha opinião. Isso eu nunca vou deixar de fazer ou de responder. Acho que é uma questão muito pessoal."

  • João Bosco

    "O principal na vida do artista é que ele seja um inventor, um excelente criador e que possa ajudar o mundo a ser melhor. Assim, ele já vai tomando uma posição política. Acho que não precisa ser uma coisa especificamente partidária ou ideológica."

  • Luiz Caldas

    "Eu acho que o artista deve pensar como todo mundo e deve falar o que acha quando quiser. Não acho que o artista tem que ter aquela coisa, aquela posição de 'tenho quer ter opinião sobre tudo para mostras aos fãs o quanto eu sou legal, engajado...' Não tem que pensar que sua opinião será compartilhada. Meus fãs têm que pensar por si próprios. Quero que os meus fãs só ouçam a minha música."

  • Roberta Miranda

    "O artista já é um politico, só que com uma diferença: ele é amado. Eu tenho que responder por mim, me posicionar por mim e isso não precisa ser o pensamento de todos. Acho que qualquer pessoa precisa lutar pelos seus direitos, mas se posicionar é uma decisão pessoal. Eu evito me posicionar publicamente"

  • Luis Miranda

    "Estamos vivendo um momento bem difícil e cada vez que uma pessoa se omite significa que está concordando. E concordar é romper com todas as coisas pelas quais muitos lutam há anos. Tenho 'bode' com pessoa omissa (...) Acho que a glamourização e o excesso de dinheiro deixaram os artistas apáticos, tranquilos porque a violência não chegava até eles. Só que chegou e quando a gente abrir o olho pode ser tarde. Fico chateado com a classe teatral que vive numa bolha"