Topo

Televisão

Homofobia, racismo, machismo: Os maus exemplos das novelas da Globo

Do UOL, no Rio

13/04/2018 04h00

Não é de hoje que a Globo comete deslizes e dá maus exemplos em suas novelas. A emissora até admite alguns erros, volta atrás e recentemente, em "O Outro Lado do Paraíso", passou a alertar o público a denunciar casos de violência contra a mulher, racismo e pedofilia. Veja alguns desses equívocos.

  • Raquel Cunha/Globo

    Gordofobia e machismo

    No ano passado, a novela "Malhação" exibiu uma cena polêmica entre os personagens Giovane (Ricardo Vianna) e Joana (Aline Dias). Na conversa, o jovem fez um pedido à namorada: "Promete que você vai ficar bem gorda para os caras pararem de chegar em você?" Na internet, choveram críticas à Globo pelo mau exemplo dado para as adolescentes, público alvo da novela

  • Reprodução/Globo

    Racismo

    Ao longo de "O Outro Lado do Paraíso", Nádia (Eliane Giardini) chocou o público com ofensas racistas ditas para Raquel, sua empregada que acabou virando sua nora. Entre os absurdos ditos pela personagem estão: "Meu filho jamais se casará com uma preta!"; "Graças a Deus me livrei da preta"; e "Não quero ter netos torrados! A minha família é branca!" O jogo virou quando o outro filho de Nádia deu à ela um neto negro, por quem ela está perdidamente apaixonada

  • Reprodução/Globo

    Homofobia

    Adnéia dá um show de preconceito com o relacionamento do filho Samuel (Eriberto Leão) e Cido (Rafael Zulu) em "O Outro Lado do Paraíso". A personagem já disse mais de uma vez na novela acreditar a "cura gay" e faz de tudo para empurrar o filho para Suzy (Ellen Roche). Em "Amor à Vida" (2013), Félix (Mateus Solano) foi desprezado pelo próprio pai, César (Antônio Fagundes), que chegou a dar uma surra de cinto nele e a proibi-lo de se assumir publicamente. No final da novela, pai e filho se entenderam e acabaram unidos. Em "Duas Caras" (2007), Bernardinho (Thiago Mendonça) foi flagrado na cama com Carlão (Lugui Palhares) e deixou o pai Bernardo (Nuno Leal Maia) revoltado. Na ocasião, a madrasta Amara (Mara Manzan) sugeriu que ele fosse submetido a uma sessão de exorcismo para "deixar de ser gay"

  • Reprodução/Gshow

    Violência contra a mulher

    A ideia foi incentivar que mulheres que são violentadas por seus companheiros não tenham medo de denunciá-los. Mas as cenas iniciais de "O Outro Lado do Paraíso", nas quais Gael (Sérgio Guizé) agredia Clara (Bianca Bin) por ciúmes, foram fortes demais e chocaram o público. O incômodo piorou com a reaproximação da mocinha e de seu algoz. "Só volto a assistir a novela quando a Clara voltar com o Patrick porque não aceito ela com o agressor do Gael, ou seja, só vou voltar a ver na última semana", escreveu uma internauta. A Globo já abordou o tema em outras novelas. Em "Mulheres Apaixonadas", Raquel (Helena Ranaldi) era agredida com frequência pelo marido Marcos (Dan Stulbach) e tinha medo de denunciá-lo. No remake de "Gabriela", o coronel Jesuíno (José Wilker) costumava dizer para Sinhazinha (Maitê Proença): "Hoje eu vou lhe usar". Ciumento e descontrolado, ele matou a mulher e o amante ao flagra-los juntos na cama

  • Reprodução/Gshow

    Glamourização do tráfico

    Bibi Perigosa (Juliana Paes), Rubinho (Emílio Dantas) e Sabiá (Jonathan Azevedo) caíram no gosto do público em "A Força do Querer" e apareceram "poderosos" em cenas posando com armas nas mãos ou em bailes com "chuva de dinheiro". Muita gente achou que Gloria Perez enalteceu o tráfico e até o ministro do STF Alexandre de Moraes criticou. "Vocês concordam com o glamour do tráfico de drogas, banhado a sangue contra o trabalho sério do povo brasileiro?", perguntou o ministro no Twitter

  • Reprodução/Globo

    Se beber, não dirija!

    Em 2016, a Globo mostrou um jovem dirigindo depois de beber em "Totalmente Demais". Jamaica (Gabriel Reif) foi embora dirigindo seu carro e dando carona para a estudante de jornalismo Leila (Carla Salle) após beber cerveja. O mau exemplo foi ao ar mais de uma vez na novela

  • Reprodução/Globo

    Amamentação equivocada

    Incentivada por Samuel (Eriberto Leão), Suzy (Ellen Roche) se ofereceu para ser ama de leite do neto de Nádia (Eliane Giardini) em "O Outro Lado do Paraíso". O médico deu orientações equivocadas para Karina (Malu Rodrigues) dizendo que o leite dela era insuficiente e, por isso, outra pessoa deveria amamentar o seu bebê. A Sociedade Brasileira de Pediatria divulgou uma nota destacando que a amamentação cruzada oferece risco de transmissão de doenças ao bebê. A Globo corrigiu o erro em nova cena: Suzy explica para Adinéia (Ana Lucia Torre) que, apesar de ter amamentado o filho de outra pessoa por alguns dias, resolveu seguir a conduta correta. "Movido pela generosidade, acabei me equivocando. A família da Nádia é tão próxima da nossa que eu acabei oferecendo o leite da Suzy", disse Samuel. Depois disso, o médico e a enfermeira explicam que a forma correta de ajudar outros bebês é doando o leite materno para bancos que analisam e pasteurizam o alimento