Coluna

Ricardo Feltrin

TVs ficam com 75% dos R$ 9 bi gastos em merchandising no país

Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

01/02/2016 08h00Atualizada em 31/01/2016 16h32

De todo o dinheiro investido em ações de merchandising no Brasil, a TV aberta abocanha pelo menos 75%.

Segundo dados consolidados da empresa Kantar Ibope Media, em valores de "tabela cheia" foram gastos R$ 9,2 bilhões 'merchan' entre janeiro e setembro do ano passado, contra R$ 9,05 bilhões no mesmo período, em 2014.

O valor de "tabela cheia" não contempla eventuais descontos que emissoras de TV costumam fazer a grande ou fiéis anunciantes. Em alguns casos, o desconto pode variar de 10% a 90%. Por isso, o valor real de investimentos pode ser bem menor.

No entanto, o percentual entre gastos de merchandising por meio de comunicação está correto.

No ano passado foram identificadas pela Kantar Ibope 1.931 ações de 'merchan' de janeiro a setembro, contra 1.744 no ano anterior, o que representa um aumento de 36% nas ações.

Veja os programas em que foram feitas mais  inserções de 'merchan' entre janeiro e setembro do ano passado:

Programas de auditório: 853

Programas femininos: 521

Show: 214

Reality shows: 163

Games: 103

Outros gêneros (novelas, cinema, séries etc): 77

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo