TV e Famosos

Com apoio de bispo, Igreja Universal rompe com governo Dilma

Fiesc
Ministro George Hilton (à esq.), indicado pelo PRB (e pela Igreja Universal) para o Ministério dos Esportes, preferiu deixar o partido a largar o cargo no governo Imagem: Fiesc
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

18/03/2016 22h24Atualizada em 19/03/2016 15h45

A saída do PRB (Partido Republicano Brasileiro) da base aliada do governo Dilma Rousseff, anunciada oficialmente anteontem, significa também o fim do apoio da Igreja Universal ao governo petista.

Segundo esta coluna apurou, o rompimento se deu com o aval do próprio Edir Macedo, líder da Universal. Embora se preocupe mais com a evangelização e evite se imiscuir em assuntos tanto da TV como da política, o bispo estaria “farto” dos escândalos e da corrupção envolvendo o PT, disse uma fonte da igreja a esta coluna, na noite desta sexta, pedindo anonimato.

Desde 2002, quando Lula foi eleito, a igreja de Macedo sempre adotou uma atitude de completo apoio aos governos petistas. Em 2003, quando o embrião do PRB surgiu, o partido rapidamente se integrou à base do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em 2005 recebeu o registro definitivo, ainda como PMR (Partido Municipalista Renovador), tendo entre seus fundadores o ex-vice presidente José de Alencar (1931-2011). No ano seguinte, passou a se denominar PRB.

O chamado “partido da Universal” chegou a ter cargos em segundo escalão no governo Lula, mas foi alçado ao primeiro escalão em 2012, quando Marcelo Crivella, sobrinho de Macedo, foi nomeado ministro da Pesca. À época, ele ironizou a própria escolha afirmando que não entendia “nada de pesca”.

Crivella ficou no cargo até 2014, quando foi substituído por Eduardo Lopes (PRB-RJ). Em janeiro de 2015, quem assumiu foi George Hilton, que deveria ter entregue o cargo anteontem, por ordem do partido. Hilton, no entanto, preferiu romper com a igreja e o PRB e permanecer no cargo.

Segundo o Censo do IBGE em dados de 2010, a Igreja Universal do Reino de Deus teria à época cerca de 2 milhões de fiéis declarados.

No entanto, há milhões de entrevistados pelo IBGE que se declaram evangélicos, mas não revelam a qual igreja pertencem.

Vale dizer que, a despeito do apoio do PRB e da Universal ao governo Dilma, o Jornalismo da Record sempre demonstrou independência e cobriu todos os escândalos governamentais em seus principais telejornais nos últimos anos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais TV e Famosos

Topo